A verdadeira história das Bruxas de Salém

Na história da humanidade vários fatos ocorreram, alguns costumam despertar mais curiosidade que outros. Quem nunca ouviu falar das Bruxas de Salém? Elas são inspirações de várias histórias, livros, músicas, filmes e até mesmo séries. O Julgamento dessas bruxas atrai o interesse de várias pessoas que ficam curiosas para saber um pouco mais sobre o ocorrido, outras nem sequer sabiam que de fato esse julgamento chegou a acontecer.

Pois é, quem não sabia, pode acreditar porque o Julgamento das Bruxas de Salém foi real e aconteceu a mais de 320 anos atrás, lá no ano de 1692. A bruxaria começou a ocupar espaço na Europa por volta de 1300 e muitos cristãos associavam os “poderes” dessas bruxas ao diabo, ou seja, eles acreditavam e defendiam que Lúcifer concediam esses poderes para que as bruxas pudessem usar da forma que bem entendessem. Muitas pessoas procuravam elas para que pudessem se vingar de seus inimigos enquanto outro grupo de pessoas temiam, principalmente por não saber o que poderia vir a acontecer se caso alguma das bruxas resolvesse lançar um feitiço.

A verdadeira história das Bruxas de Salém

A perseguição às mulheres acusadas de praticar a bruxaria começou a desaparecer da Europa, mas foi ganhando cada vez mais força em Salém. Tudo começou em 1689 quando a guerra dos nove anos começou a devastar várias regiões e deixando muitas pessoas desabrigadas. Essas pessoas sem ter pra onde ir começaram a se refugiar em vários locais, um deles foi obviamente Salém. A chegada dos refugiados começou a gerar um clima não muito agradável, principalmente porque a economia local começou a cair e a briga entre famílias cresceu bastante. Em janeiro de 1962 a filha do Reverendo Parris, Elizabeth (9 anos) e sua sobrinha Abigail (11 anos) começaram a apresentar alguns comportamentos bastante esquisitos. As meninas se contorciam, gritavam, atiravam objetos e faziam sons esquisitos. Não demorou muito para que várias pessoas associassem o ocorrido com algo sobrenatural.

Clique em “Próximo” para ler o restante do conteúdo da postagem.