Vendo as coisas de outro jeito

Nós costumamos enxergar tudo de maneira binária: certo ou errado, verdadeiro ou falso. Mas em alguns casos, coisas que acreditamos ser de um jeito, podem ser de outro:




Medo de tubarões, amor aos cachorros

angry_dog

Se você perguntar a uma pessoa se ela tem medo de ser atacada por um tubarão, a resposta obvia é um grande “Sim”. Mas se fizermos a mesma pergunta a essa pessoa, mas em vez de usarmos o tubarão, colocarmos o cachorro na jogada, a grandíssima maioria vai dizer que não tem medo desse animal.

Nós vivemos com cachorros em nosso dia a dia e eles são bonitinhos e companheiros, por isso, temos essa imagem de que são animais seguros. Ao mesmo tempo, vemos os tubarões como criaturas feias e perigosas, mas deveríamos ver isso por um outro lado.

Somente levando em conta dados oficiais, ou seja, aqueles que chegaram a serem registrados, os cachorros são responsáveis por 2500 vezes mais mortes anuais do que os tubarões! Entre 1580 e 2014, as mortes causadas por tubarão contabilizam apenas 548, praticamente uma por ano. Já os cachorros, apenas nos EUA, causam 20 mortes por ano relacionadas a ataques. A nível mundial, 25 mil pessoas morrem por ano devido a ataques e doenças transmitidas por cachorros, transformando esses querido animais em um dos mais perigosos do planeta.




Usamos apenas 10% de nosso cérebro

web-brain-getty-c-DONTUSEAGAIN

Esse mito de que usamos apenas 10% de nosso cérebro é mais velho do que “andar para frente” e você já deve ter lido em vários lugares sobre isso. A verdade é que usamos todo nosso cérebro, mas cada parte para alguma coisa específica.

Mesmo sendo um mito, essa história de usarmos apenas uma pequeno porcentagem do cérebro não chega a ser uma mentira total. O que acontece é que nosso cérebro não fica com todas as suas partes ativas ao mesmo tempo. Como cada parte dele é responsável por uma coisa, na maior parte do tempo a maior parte do cérebro fica inativa, poupando energia e esperando o momento de agir em alguma atividade relevante.




O meteoro que não matou os dinossauros

485176_441599455926469_1655029236_n

Há milhões de anos, os dinossauros foram extintos da face da Terra por causa de um enorme meteoro que caiu em uma região perto do que é o México hoje em dia. Essa história é muito conhecida, mas nem sempre bem interpretada. Muitas pessoas acham que foi o impacto do meteoro que exterminou os dinossauros, como se fosse uma bomba enorme que vai tirando a vida dos seres por onde sua onda de impacto passa.

Contudo, a verdade é que poucos dinossauros devem ter morrido por causa do impacto diretamente. O que realmente causou a extinção em massa foram os detritos jogados na atmosfera pelo impacto. Isso levou a morte de diversas plantas, que serviam de alimentos para animais. Com a morte desse animais, os carnívoros ficaram sem comida e uma reação em cadeia acabou exterminando os dinossauros, principalmente por que muitos deles eram grandes seres e precisavam de uma enorme quantidade de energia para sobreviver.

Ou seja, os dinossauros viveram durante anos após o impacto do meteoro e o que realmente os matou foi a falta de alimento e não o impacto diretamente.

Receba mais em seu e-mail
Topo