Descubra o que interfere no valor da cobertura do seguro de vida [3 itens]

O seguro de vida é um tipo de investimento que garante um patrimônio para o beneficiário ou para os herdeiros. No entanto, muita gente tem dúvidas sobre o valor da cobertura do seguro de vida na hora de fazer a contratação do produto financeiro.

Além do mais, hoje em dia muito se fala sobre esses seguros de vida dentro das empresas, em planos para os funcionários. E, nesse caso, há ainda outras questões que podem ser vistas de forma positiva, como o fato de o empregador ter segurança em caso de danos ou doenças.

Agora, é importante que se saiba que quando falamos em seguro de vida não nos referimos somente a cobertura em caso de morte, como muita gente pensa. Assim, saiba que existem outras coberturas, como acidentes e doença, o que vale para o caso de planos empresariais.

Desta forma, a gente pode concluir essa introdução vendo que ao fazer o contrato de seguro de vida para os funcionários, o empresário acaba por mostrar responsabilidade e preocupação com a produtividade e o respeito a do profissional.

No entanto, você sabe quanto vale um seguro como esse? Ou como calcular o melhor preço? Saiba a resposta dessas e de outras perguntas aqui com a gente, nas próximas linhas.

O preço de uma cobertura do seguro de vida

A primeira coisa é ter em mente que para chegar ao valor da cobertura do seguro de vida é preciso levar em conta vários fatores. É como o seguro do carro, onde uma vírgula pode mudar o valor final do contrato. Entre elas, a possibilidade de acontecer um sinistro.

Basicamente, quanto mais chances o indivíduo apresentar de acontecer um acidente, maiores serão os valores cobrados. Assim, fica fácil imaginar porque os preços variam tanto de companhia para companhia e de pessoa para pessoa. Cada caso tem seu contexto diferente.

Essa medição de riscos se baseia em técnicas que normalmente usam respostas extraídas de um questionário, que é mais conhecido por DPS (Declaração Pessoal de Saúde).

A Declaração serve para a seguradora detectar quais são as características e pontos de risco para cada funcionário. Com isso, ela apresenta aquele que julga ser o melhor plano de seguro. Para você entender melhor, trouxemos aqui 3 pontos cruciais que alteram o valor do seguro.

1 – Estado de saúde

Um dos motes questionados no DPS é sobre o estado de saúde do contratado.

Entra as perguntas que ele deve responder é se por acaso já passou por alguma cirurgia, tem algum histórico de doença crônica, possui uma vida com a prática de esportes, se é fumante ou faz uso exagerado de álcool, entre muitas outras.

Com o compilado de todas essas respostas é possível traçar um perfil de risco que aquele indivíduo apresenta.

2 – Faixa etária

A idade é outro tema muito importante para definir o preço do seguro. Assim, os funcionários mais novos tendem a ter menos riscos que aqueles mais velhos. Sendo assim, é evidente que quanto maior a idade, maior deverá ser o investimento da apólice.

Óbvio que fatalidades acontecem e não escolhem ninguém, mas é inegável que um colaborador mais jovem possui uma expectativa de vida maior. Além disso, eles correm menos riscos de serem submetidos a internações, tratamentos e outros tratamentos.

3 – Gênero

Outro fator importante é saber que as mulheres tendem a ter uma vida mais duradora – ou, pelo menos, mais longa. Isso acontece por alguns motivos, como os culturais.

Por outro lado, durante a trajetória das mulheres, há uma tendência maior em terem problemas de saúde, equilibrando um pouco mais a situação, não sendo permitido definir exatamente qual é o sexo que tem um seguro mais barato.

No final das contas, o estado de saúde, o histórico de doenças e a idade são levados muito mais em conta.

O valor ideal para cada beneficiário do seguro

Ao final do cálculo do seguro de vida, você também descobrirá quanto deverá desembolsar mensalmente. Assim sendo, leve em conta esse monte de fatores: a apólice, os riscos e tudo mais. Depois é que você fica sabendo quanto deve pagar no mês.

Mas, ainda é preciso levar em consideração outros pontos para considerar o valor da cobertura do seguro de vida. Por exemplo, no caso de indivíduos que são assalariados e não tenham uma reserva de emergência, é aconselhável definir uma indenização também.

Esse valor deve ser suficiente para custear a vida da família daquele funcionário em caso de problemas como a perda do emprego. Com uma cobertura mais completa, no entanto, maior deve ser investimento na apólice, também.

No final das contas, a junção dos custos dos riscos, impostos, lucro planejado e outros gastos administrativos é o que definirão o preço do seguro de vida. Ainda deve-se avaliar se é possível tirar algumas coberturas ou acrescentar outras.

A dica é: procure uma boa corretora

A forma mais interessante para definir o melhor seguro é com a ajuda de profissionais de corretoras, pois eles já têm experiência no assunto e sabem identificar as verdadeiras necessidades de cada contribuinte.

Você irá procurar pela proposta mais justa, sem precisar de muitas coberturas desnecessárias e também para não pecar por omissão.

Descubra os melhores sites para simular o seguro de saúde

Agora, mesmo que algumas empresas já demonstram um plano para você, saiba que você não é obrigado a concordar com ele se não estiver de acordo, ok? Além do mais, antes de assinar o contrato, vale a pena ler por inteiro e, se precisar, leve em um advogado de confiança.