Todos os humanos modernos ‘têm DNA neandertal’

ANÚNCIO

ANÚNCIO

Todos nós provavelmente temos um pouco de neandertal em nosso DNA – incluindo africanos que se pensava não terem ligação genética com nosso parente humano extinto, segundo um novo estudo.

Evidências de que nossos primeiros ancestrais tiveram bebês com neandertais surgiram pela primeira vez em 2010, quando o primeiro genoma, extraído dos ossos dos hominins da Idade da Pedra que habitavam a Europa até cerca de 40.000 anos atrás, foi sequenciado.

Todos os humanos modernos 'têm DNA neandertal'

Eles descobriram que europeus modernos, asiáticos e americanos – mas não africanos – herdaram cerca de 2% dos genes dos neandertais, com nossos ancestrais aparentemente se conectando com seus primos atarracados somente depois que se mudaram da África.

No entanto, pesquisadores da Universidade de Princeton agora acreditam, com base em um novo método computacional, que os africanos realmente têm DNA neandertal e que a história humana muito antiga era mais complexa do que muitos imaginam.

Esta é a primeira vez que podemos detectar o sinal real da ascendência neandertal nos africanos“, disse Lu Chen, pesquisador de pós-doutorado do Instituto Lewis-Sigler de Genômica Integrativa (LSI) de Princeton e co-autor de um novo artigo publicado durante a noite na revista Cell.

Joshua Akey, professor do LSI que liderou o estudo, sugeriu que suas descobertas pusessem em dúvida a teoria amplamente difundida da migração humana “fora da África” ​​- que os humanos modernos se originaram na África e fizeram uma única dispersão para o resto do mundo em um onda única entre 60.000 e 80.000 anos atrás.

Nossos resultados mostram que essa história foi muito mais interessante e houve muitas ondas de dispersão na África, algumas das quais levaram à mistura entre humanos modernos e neandertais que vemos nos genomas de todos os indivíduos vivos hoje”.

Ele disse que seus dados indicam que uma onda de humanos modernos deixou a África há aproximadamente 200.000 anos e esse grupo cruzou com os neandertais.

Esse antigo grupo de europeus migrou de volta para a África, introduzindo a ancestralidade neandertal às populações africanas.

O documento dizia que restrições técnicas e a suposição de que os neandertais e as populações africanas antigas estavam geograficamente isoladas uma da outra levaram a um ponto cego no campo.

Estudos anteriores se baseavam em populações de referência, ou painéis, que se supunha não possuir DNA neandertal.

A equipe também descobriu que as estimativas anteriores sugerindo que os asiáticos orientais poderiam ter aproximadamente 20% mais ascendência neandertal em comparação aos europeus estavam erradas e humanos em diferentes continentes tinham ascendência neandertal “surpreendentemente semelhantes entre si”.

Fernando Racimo, professor assistente do Globe Institute da Universidade de Copenhague, disse que o estudo foi “significativo” e “interessante”.

“Este novo método permite encontrar ancestrais neandertais em um conjunto de genomas sem ter que confiar em um painel que se supõe não ter mistura (não comparável), então os autores agora podem aplicar seu método para procurar a ancestralidade neandertal em africanos também.”

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: 9news