4 anos sem Chespirito: Relembrando os melhores personagens de Roberto Gómez Bolaños

Roberto Gómez Bolaños, mais conhecido como Chespirito, o homem que conquistou milhões de pessoas com seus personagens, nos deixou há 4 anos, deixando-nos um imenso legado cheio de suas criações e interpretações. Ele argumentou que o segredo é fazer o que você gosta e nunca é tarde demais para isso, o que fez o seu talento transcender as fronteiras internacionais, colocando seu trabalho no centro das atenções de todo o mundo.

O Minilua compartilha algumas informações de sua vida pessoal e profissional para lembrar o melhor do mestre da comédia mexicana.

O começo de sua carreira

4 anos sem Chespirito: Relembrando os melhores personagens de Roberto Gómez Bolaños

Embora Roberto Gómez Bolaños se formara como engenheiro e, no início, trabalhasse em uma construtora, o destino havia preparado algo completamente diferente para ele. Ele encontrou um anúncio no jornal para preencher uma vaga em uma agência de publicidade. Ele não pensou duas vezes sobre isso e, depois de conseguir o cargo, começou a fazer o que mais gostava: escrever.

Essa mudança em sua carreira profissional levou-o a descobrir que escrever não era apenas um prazer, mas também uma vocação. Na televisão, ele começou a escrever para “Cómicos y canciones” e “El estudio de Pedro Vargas”, em 1950. Em seguida, ele trouxe para a tela o seu próprio programa, “Los supergenios de la mesa cuadrada” com personagens como Professor Girafales, Dr. Chapatín e o Seu Madruga. Este programa consistia no encontro destes personagens que, ao redor de uma mesa quadrada, liam cartas dos telespectadores para respondê-las de maneira cômica e absurda para a época.

4 anos sem Chespirito: Relembrando os melhores personagens de Roberto Gómez Bolaños

Mais tarde, ele lançou seu programa “El ciudadano Gómez”, que não foi muito bem sucedido e só teve 13 episódios. Depois de um tempo, a inspiração surgiu para seu personagem “Chapolin Colorado”, que lhe trouxe sucesso internacionalmente, colocando a televisão mexicana no topo. Foi assim que chegaram “Chaves”, “Los Chifladitos” e “Los Chaquitos”.

4 anos sem Chespirito: Relembrando os melhores personagens de Roberto Gómez Bolaños

Chespirito como Pancada Bonaparte e Rubén Aguirre como Lucas Pirado no programa “Los Chaquitos”, em 1971.

Clique em “Próximo” para ler o restante do conteúdo da postagem.