Aprenda como evitar que o relacionamento amoroso dentro da empresa vire um problema

Se você ler qualquer livro romântico vai ver que os grandes autores e poetas são apoiadores do amor, independentemente de onde ele acontece. Agora, se a gente ver as regras de etiqueta empresarial vamos ver que não é aconselhável se relacionar amorosamente com outros funcionários. Correto?

O fato é que o namoro e a paquera entre pessoas dentro da mesma empresa não são assunto novo. Além disso, é preciso conseguir identificar quando se trata de uma relação abusiva e de um relacionamento saudável. Sem dizer o que é certo ou errado, vamos considerar que você se apaixonou por alguém dentro da empresa. E agora?

Carlos Drummond de Andrade diria que o “amor não pode ser regulamentado, foge a dicionários e a regulamentos vários”. Então, parece que tudo bem, não é mesmo? Ainda assim, vamos considerar algumas regras de etiqueta para que vocês não acabem criando problemas na vida profissional. Está bem?

Afinal de contas, Dostoiévski poderia retrucar Drummond dizendo que a “razão não é senão escrava da paixão”. Então, quando isso acontece dentro da empresa, saiba que existem regras de comportamento entre os apaixonados que devem ser, no mínimo, respeitadas.

A razão e/ou a emoção

Abaixo, mais no final o artigo, nós vamos citar algumas das principais regras de etiqueta que devem ser seguidas pelos casais apaixonados no ambiente de trabalho. Porém, antes disso, vamos considerar essa luta entre razão e emoção.

Saiba que é verdade sim que muitas das corporações não aceitam e não aconselham o envolvimento entre funcionários. Inclusive, elas jamais fazem a contratação de casais. O motivo parece palpável: elas temem que o envolvimento emocional traga queda na produtividade.

Por outro lado, não podemos dizer que não seja compreensível notar que para quem trabalha mais do que 40 horas semanais ao lado dos colegas, o envolvimento emocional se torne algo “natural”. Afinal, somos humanos, seres que precisam se relacionar.

Assim, quando não temos tempo para conhecer e conviver com pessoas de fora da empresa ou simplesmente quando nos damos muito bem com o colega de trabalho, então, a crescente de um sentimento mais afetivo pode acontecer, sim. De fato!

As regras de etiqueta

Considerando esse lado da moeda, onde o ambiente corporativo se torna palco para os envolvimentos emocionais, como os casos, os namoros, as paixões, as traições e até mesmo os casamentos bem-sucedidos, vamos trazer algumas dicas para evitar problemas na profissão.

Até mesmo porque para tentar evitar o caos, mais do que proibições, muitas empresas mais modernas têm optado por designar medidas éticas. Sendo assim, considerando essa linha que separa um gentil elogio de uma grotesca cantada, nós trouxemos as regras de etiqueta.

Na verdade, não há um livro dessas regras, dessas etiquetas, desses aconselhamentos. Mas, de fato, uma boa maioria dos especialistas em comportamentos corporativos garantem que são boas medidas para prevenir a falta de produtividade no trabalho – em se tratando de casais.

Discrição!

A primeira coisa é saber que ter discrição é algo fundamental para todos os casos amorosos. Então, só reporte ou fale sobre o seu relacionamento quando for perguntado sobre ele. E faça isso com bom senso, sem extravagâncias.

Superiores!

Sempre que falamos de um casal no trabalho, a gente logo pensa nos superiores, não é mesmo? O fato é que isso pode ser abusivo ou não. Vamos considerar que não seja abusivo. Então, isso ainda poderá gerar ciúmes na equipe de trabalho. Logo, é preciso muito diálogo, ética e transparência para evitar privilégios ou promoções.

Desempenho!

Outra coisa importante é falar do desempenho, que jamais deverá ser afetado pelo seu relacionamento interno na empresa. Se você tem provas de que o namoro não atrapalhará a sua carreira, então, parece que tudo bem.

Proibição!

O fato é que a maioria das companhias, independente do porte, não proíbem o relacionamento de funcionários da mesma empresa, mesmo que não gostem. Porém, saiba que todas observam a conduta dos envolvidos.

Respeito!

E não dá para ficar sem falar do respeito. Nesse caso, ele vem com aquela ideia simples do profissionalismo. Independentemente do que vocês façam fora daquele ambiente, saiba que nada de ficar se pegando, se beijando ou se melando nesse ambiente profissional, ok? Definitivamente, no ambiente corporativo, o foco é o trabalho.

Término!

E mesmo que isso jamais seja previsto, saiba que o término da relação pode acontecer. E, muitas vezes, é aqui que o problema corporativo acontece. Isso porque podem haver cenas de ciúme ou uma simples falta de empatia pelo ex-parceiro. Então, assim como durante a relação à sua conduta deveria ter sido impecável, agora vale a mesma ideia.

Bônus – tenha maturidade!

Sendo assim, respeitando todos os pensadores citados aqui no conteúdo, o que não nos parece errado é saber que mesmo com os percalços a serem observados, uma boa parte dos relacionamentos podem acontecer sem estremecer as carreiras dos envolvidos.

Funcionário saiu de férias – saiba a melhor forma de contratar um empregado novo

Para que isso aconteça, no entanto, é preciso que haja maturidade de ambas as partes, de todos os envolvidos. Isso vai ser necessário para lidar com os desafios diários – seja para separar o que é assunto pessoal do profissional ou para se manter focado no trabalho.

Por fim, se você seguiu essas regras de conduta e ética, saiba que mesmo assim poderá ter problemas como as demissões ou algo do tipo. Nesse caso, então, você deverá buscar uma ajuda profissional, que vem de advogados trabalhistas.