Início Bizarro

Região da Sibéria diz que estão livres de coronavírus graças a proteção de uma múmia de 2.400 anos

A república Altai do território sul da Sibéria não registrou nenhuma infecção do atual surto de coronavírus. Alguns dizem que isso se deve à proteção de uma múmia antiga conhecida como a princesa de Ukok ou a donzela de gelo da Sibéria.

Como o resto do mundo, a Rússia foi duramente atingida pelo surto de coronavírus, exceto por sua região de Altai, no sul da Sibéria, onde zero casos de COVID-19 foram identificados até o momento.

Segundo os moradores, a região foi poupada do vírus graças à proteção de uma múmia antiga misteriosa mantida em um museu em Gorno-Altaisk, capital da república de Altai.

Como relata o Moscow Times, a múmia de 2.400 anos foi escavada em seu cemitério original dentro da área do Permafrost da Sibéria em 1993.

Desde então, os habitantes locais acreditam que a donzela de gelo da Sibéria – o apelido pelo qual a múmia se tornou conhecida – ofereceu proteção divina à região, inclusive durante o surto global.

Depois de anos afastada da região de Altai, após uma série de infortúnios misteriosos, a princesa de Ukok foi devolvida.

O deputado regional Yerzhanat Begenov disse à imprensa que não houve casos de coronavírus detectados entre as 220.000 pessoas da região devido à implementação precoce do auto-isolamento pelo governo.

Eles também promulgaram restrições ao tráfego terrestre e aéreo com as regiões vizinhas.

Mas, Begenov também disse que a região era única porque tinha a proteção da princesa múmia.

“Nós temos proteção. O povo Altai cultua a múmia, nós a valorizamos ”, disse Begenov ao jornal local Podyom. “Quando a múmia foi levada para Novosibirsk, tivemos um terremoto aqui, e eles disseram que aconteceu porque a múmia foi levada, não deveríamos ter tocado nela.”

Begenov, é claro, está falando da controversa remoção da múmia dos túmulos sagrados, conhecidos como kurgans, no remoto platô de Ukok, quando o cadáver da Idade do Ferro foi descoberto.

Os xamãs do povo Altai alertaram as autoridades do governo que remover os restos da múmia da tumba estimularia a retaliação das forças espirituais.

Como mágica, pouco depois de a donzela de gelo da Sibéria ser transferida para Novosibirsk, a região de Altai foi atingida por um grande terremoto. O desastre natural assustadoramente cronometrado parecia provar o poder da múmia.

Por respeito aos costumes das tribos indígenas de Altai, os restos da donzela de gelo da Sibéria só podem ser vistos pelos visitantes do museu durante a lua nova.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: ATI