Esse rapaz encontrou um filhote de passarinho, levou para casa e depois de 36 dias…

O irmão de um veterinário estava caminhando quando encontrou um passarinho caído no chão próximo de uma árvore. Ele tinha caído do seu ninho. Incapaz de localizar o ninho para que ele pudesse devolvê-lo ao seu local, ele decidiu levá-lo para casa e lhe entregou para o seu irmão veterinário.

Nota: se você encontrar um pássaro jovem ,” o veterinário escreveu no imgur. É melhor tentar localizar o ninho e colocá-lo de volta sem tocar no pássaro bebê, Porque os pais vão rejeitá-lo devido ao cheiro dos seres humanos. Por favor, não tente isso em casa! Isto não se destina como um guia, isso serve apenas para mostrar o incrível desenvolvimento e crescimento de aves canoras. A reabilitação da vida selvagem só deve ser realizada por aqueles licenciados para fazê-la!

Está aqui a história surpreendente sobre sua experiência e o desenvolvimento do pássaro bebê.

Dia 1: Aqui está o filhote em seu primeiro dia.

Dia 2: “Mantivemos o filhote em uma incubadora, controlando cuidadosamente a umidade e temperatura. O chamamos de “bolinha de massa.”

Dia 3: “O passarinho come muito! Nós o alimentamos principalmente com grilos, larvas de farinha, insetos capturados, e uma fórmula líquida comercialmente disponível para pintos. Nós alimentamos o filhote a cada 30 minutos durante 14 horas/dia, simulando como seria em estado selvagem.

Dia 4: “Você pode ver aqui o desenvolvimento impressionante das penas das asas, em apenas alguns dias”. Além disso, ele tinha um moicano hilário, que ficou ainda mais ridículo quando ficou um pouco mais velho. Começou então a gritar para ser alimentado a cada 30-45 minutos. Uma nota impressionante é que mesmo cega ainda ele sabia que tinha que fazer o seu cocô na borda do ninho improvisado e deixava todo o meio do ninho limpo.

Dia 5: “No dia 5, Bolinho era capaz de se sentar melhor”. Ele está realmente começando a parecer com um pássaro! Seus olhos estavam começando a abrir.

Dia 6: “Aqui uma foto mostrando o desenvolvimento contínuo incrível de suas penas da asa.

Dia 7: Você pode ver aqui também que ele tem o dedo do pé lateral dobrado.

Dia 8: “Neste momento, ela estava comendo 3 grandes grilos +/- em cada “mamada”.

Dia 9: “Fomos capazes de parar de usar a incubadora. Seu corpo estava coberto por penas, e ele foi capaz de regular sua temperatura corporal por conta própria.

Dia 10: “O colocamos em uma gaiola convencional, e lhe demos mais materiais para ele explorar. Ele estava muito feliz, apesar da sua expressão.” Rsrsrs…

Dia 11: “Ele foi capaz de pousar oficialmente pela primeira vez! Definitivamente um grande passo na direção certa.

Dia 12: “Ele era um pássaro muito doce, e se empoleirava em nossas mãos.

Dia 13: “Quase duas semanas de incubação, e ela agora está se equilibrando muito bem! Você pode notar isso pela sua força e equilíbrio.

Dia 14: “Ele está começando a parecer mais maduro. Agora com mais de 2 semanas de idade, vai começar a pular em alguns dias.”

Dia 17: Aqui está ele em uma gaiola maior. Colocamos ramos recém-cortadas de modo que ele possa ver uma variedade de opções, e possa explorar as folhas e galhos como se ele estivesse em estado selvagem.

Dia 22: “Começamos a colocar a sua jaula no deck para começar sua exposição ao vento, ao sol e outras aves. Isto é importante para a socialização e formação. Outras aves viriam para perto por conta das sementes e interagia com ele, e ele podia vê-los e aprender suas canções.”

Dia 23: “Esta é uma das minhas imagens favoritas dele, mostrando suas penas maravilhosamente estampadas. Nesta foto chegamos a conclusão que se tratava de um Pardal coroado branco ou Chipping Sparrow. Nós estávamos esperando para levá-lo em forma para a liberdade com tempo de sobra para fazer sua viagem.

Dia 25: “Outra vista lateral linda dele, mostrando sua padronização.

Dia 27: “A essa altura, ele mostrou absolutamente nenhum interesse em comer os grilos, e sua dieta era mais sementes e larvas. Já comia completamente sozinho.”

Dia 29: “Ela amava todos os novos ramos que colocávamos. Uma grande parte de sua dieta em estado selvagem é botões de árvore, e ele ia atrás imediatamente deles sempre que colocávamos ramos frescos.”

Dia 33: “Neste ponto, ele já podia ser libertado. No entanto, houveram tempestades inesperadas durante três dias, por isso, decidimos mantê-lo em casa para lhe dar uma melhor chance de sobrevivência.”

Dia 36: “… o dia perfeito para enviá-lo para casa! Nós dirigimos até uma parte linda da natureza a cerca de 1 quilômetro de onde ele foi inicialmente encontrado e onde sabíamos que haveria outros de sua espécie”.




“E lá se foi ele… Bye Bye meu amigo Bolinho!”

Fonte: Atchuup

Receba mais em seu e-mail
Carregar mais
Topo