Quão bom é o novo filme de Brad Pitt, Ad Astra?

ANÚNCIO

ANÚNCIO

O Festival de Cinema de Veneza lançou recentemente três dos filmes de viagens espaciais mais pensativos de Hollywood, com ‘ O Primeiro Homem’ no ano passado, após ‘ A Chegada’ e ‘Gravidade’. Este ano, é a vez de ‘Ad Astra’, escrito e dirigido por James Gray, e estrelado por Brad Pitt como Major Roy McBride, um astronauta extraordinário. O Ad Astra é quase tão inteligente quanto os outros filmes, mas compartilha muito de suas imagens para parecer totalmente original.

E, como os outros filmes de viagens espaciais, se volta para questões de perda, uma trajetória que começa a se tornar irritante. Ninguém pode viajar para a fronteira final sem se emocionar com os parentes ao longo do caminho? As questões pessoais são tratadas com menos elegância no Ad Astra do que nos outros filmes também. Em teoria, o personagem de Pitt é semelhante a Neil Armstrong, como retratado por Ryan Gosling em O Primeiro Homem, em que suas habilidades de pilotagem dependem de seu controle de ferro e de seus sentimentos.

Quão bom é o novo filme de Brad Pitt, Ad Astra?Quão bom é o novo filme de Brad Pitt, Ad Astra?

A diferença é que Gosling transmitiu essa filosofia enquanto Pitt não a transmite, tanto nas dublagens que se repetem quanto nos relatórios de avaliação psicológica que ele recita ao seu computador sempre que ele estiver prestes a ir para outra missão. Enquanto isso, Liv Tyler aparece em uma pequena aparição clichê como a esposa angelical que Roy negligenciou. A configuração pode ser um futuro próximo, mas funções como essa estão desatualizadas.

Porém, se você ignora algumas das tagarelas psicodélicas, o Ad Astra é uma combinação gratificante de filmes B e filmes sinistros e atmosféricos. Tudo começa quando Roy é derrubado de uma antena de milha por um aumento de energia. De acordo com o alto escalão da Nasa, esse foi um dos muitos picos de energia causados ​​pelos raios cósmicos que nos atingiram do outro lado do sistema solar. E a origem desses raios cósmicos é uma estação espacial que já foi tripulada pelo pai de Roy (Tommy Lee Jones).

Quão bom é o novo filme de Brad Pitt, Ad Astra?

Tanto quanto se sabe, Sr McBride morreu 13 anos antes. Mas e se ele não? E se ele ainda estiver lá fora, orbitando Netuno, como um descendente interestelar do coronel Kurtz ou Ben Gunn? Roy não pergunta a seus superiores por que eles acham que o velho ainda pode estar vivo, e ninguém se incomoda em dizer a ele – o roteiro de Gunn é frustrantemente vago sobre esses assuntos – mas ele é enviado para o desconhecido, por precaução, para tentar entre em contato com seu pai há muito tempo perdido.

O que se segue é, essencialmente, um fio no estilo Buck Rogers, completo com aterrissagens, tiroteios, brigas de gravidade zero, um predador selvagem escondido em uma nave aparentemente abandonada e uma perseguição de carro na Lua. É uma coisa divertida, mas Gray mantém o humor sombrio e a ciência quase plausível. Não há hiperdrive nem teleporte, por exemplo, por isso, se você quiser fazer uma viagem de bilhões de quilômetros, isso levará muito tempo.

Quão bom é o novo filme de Brad Pitt, Ad Astra?

Remanescente de 2001: A Odisseia do Espaço e Solaris de Tarkovsky, o filme é mais cativante quando mostra como a existência sombria e desolada pode ser à medida que você se afasta do sol. Uma vez que você está no espaço, você está em um ambiente verdadeiramente alienígena, mesmo que você não encontre nenhum alienígena. Então, infelizmente, a narração de Roy com autocomiseração retorna e traz tudo de volta à terra. O Ad Astra é agradável como um filme de ação e como uma ruminação de ficção científica. Mas, carregada de bagagem emocional, ele não chega às estrelas.