Será que dá para prever em quanto tempo o mercado financeiro vai se recuperar?

Essa é uma das perguntas que os investidores mais querem saber. Dos mais novatos aos mais experientes, todo mundo se interessa por saber quando a economia vai voltar a funcionar – porque isso ajuda a responder em quanto tempo o mercado financeiro vai se recuperar.

E essa tensão toda é por conta da grave crise gerada pelo Coronavírus (Covid-19), que se acentuou ainda mais com a guerra dos preços na indústria petrolífera. E isso não é bobagem: talvez seja uma das maiores crises para todo mercado – do econômico ao financeiro.

Para se ter uma ideia do tamanho do prejuízo que esses fatores trouxeram, saiba que em Março, o circuit breaker da Bolsa de Valores foi acionado 6 vezes em menos de 10 dias. É praticamente um recorde.

Em alguns países, o pico da doença já passou e a vida normal (assim como a economia) está voltando aos poucos. No entanto, ainda assim, o mercado é considerado muito instável. Afinal, uma nova onda de contagio está surgindo e o número de mortos não para de crescer.

As perspectivas já são bem melhores do que algum tempo atrás, é verdade. Porém, será que já dá para a gente criar alguma expectativa sobre a retomada da economia, a melhora do mercado financeiro? Vamos analisar.

Como foram as outras crises?

Saber um prazo exato de quando as coisas vão voltar a trilhar os caminhos da normalidade é algo tão improvável que praticamente ninguém se arriscar a dizer. Afinal, são muitas variáveis e motivos para não se ter alguma precisão, algo mais coerente.

Todavia, podemos analisar como o Brasil superou outras grandes crises no passar dos anos, que também trouxeram muitos prejuízos a todo mercado. Leve em conta que isso não vai indicar a resposta, mas é um bom caminho para considerar as perspectivas.

Para fazer essa avaliação, vamos levar em conta o circuit breaker. Se você não sabe qual é a sua utilidade, ele é acionado com o intuito de parar as negociações na bolsa para que haja um equilíbrio nas operações. É uma espécie de pausa para evitar quedas muito bruscas.

Aqui no Brasil, esse mecanismo precisou ser acionando em outras 5 oportunidades. Vamos ver todas elas e analisar cada uma.

1 – Joesley Day

Antes desse acionamento do mecanismo do circuit breaker, a última vez que essa operação entrou em ação foi em maio de 2017, mas o motivo foi bem diferente.

Estamos falando do “Joesley Day”, que foi quando o proprietário da JBS, Joesley Batista, delatou operações cheias de corrupção com envolvimento de políticos bem conhecidos do público, como Michel Temer, que aquela altura, era o presidente do país.

Na época, houve recuo no valor da bolsa de 8,8%. Para a recuperação daquele baque foram precisos 3 meses e mais 5 dias. Seria uma previsão super otimista para os dias atuais, mas não há indícios que irá se repetir.

2 – Crise dos Estados Unidos

A crise do subprime nos Estados Unidos assolou o mundo tudo e a Ibovespa não iria ficar fora dessa. O ápice daquele período conturbado aconteceu quando o banco americano, Lehman Brothers, faliu.

O baque no mercado financeiro foi tão grande que o circuit breacker precisou entrar em ação 6 vezes, uma a mais do que aconteceu no começo dessa pandemia. As quedas chegaram a apontar 43,8%.

Depois disso, a bolsa conseguiu se recuperar apenas 8 meses e 15 dias depois. Se fossemos levar em conta esse exemplo, em novembro de 2020, a situação já estaria normalizada por aqui. Será que irá se repetir?

Mas, vale lembrar, que a pandemia não acabou ainda, fazendo com que esse prazo seja muito difícil de repetir.

3 – Mudança do Regime Cambial

Outro momento complicado da economia brasileira foi quando aconteceu a mudança do regime cambial atrelado grande queda do Real, em 1999.

Foi registrada uma perda de 44,39% na Ibovespa. O mercado estava com medo dos efeitos que essa nova estratégia poderia causar no país. A estabilidade aconteceu 3 meses e 2 dias para acontecer.

4 – Crise da Rússia

A Crise da Rússia de 1998 foi responsável pela maior queda na bolsa brasileira, que foi de 56,41%.

A desordem aconteceu devido ao colapso do rublo, e por conta disso, a Rússia se viu obrigada a parar de pagar suas dívidas externas. O Brasil demorou 7 meses e 25 dias para se recuperar do baque.

5 – Crise Asiática

Além de ter sido responsável pelo acionamento do circuit breaker em 1997, por conta de uma desvalorização de 42,90%, a Crise Asiática foi o que o Brasil mais demorou para superar.

Foram 2 anos, 4 meses e 22 dias. Esperamos que essa crise atual não demore tanto tempo quanto essa. O motivo dessa crise foi a desvalorização de moedas e quedas de bolsas asiáticas.

E agora, José?

Parafraseando um dos nossos escritos preferidos, e agora José, o que esperar dessa nova crise? Depois de conhecer todos os momentos em que o circuit breaker foi acionado no Brasil, fica nítido que é a economia fica mais frágil e exige um tempo para entrar nos eixos.

Esse é um ponto a ser analisado. E o que não muda é que em momentos como esse é importante manter a cautela e todo o cuidado com as suas economias e os seus investimentos financeiros. Ficar aguardando a melhora do mercado não é fácil, mas é preciso.

Será que ouro e dólar são ativos para proteger a carteira de investimentos? Descubra

Enfim, não temos como dizer precisamente quando tudo isso vai acabar. Por outro lado, como todas as outras crises, a boa notícia é que ela vai acabar. De qualquer modo, há indícios que muitas áreas econômicas estão começando a se recuperar, inclusive, em outros países.