Psicografia: a máquina de frenologia pseudo científica

ANÚNCIO

A frenologia tem sido chamada de pseudociência, charlatanismo e franja. Durante o século XIX, no entanto, o estudo dos inchaços na cabeça de uma pessoa estava rapidamente se tornando a explicação para o comportamento humano.

Franz Joseph Gall afirmou descobrir a frenologia em 1796. Ele viu o cérebro não apenas como um órgão completo, mas a coleção de muitas peças diferentes que compunham a psique humana. Ele afirmou que a cabeça humana estava cheia de 27 órgãos distintos que determinavam a personalidade. Os animais, é claro, só tinham 19 – inferiores ao nosso próprio intelecto.

ANÚNCIO

Psicografia: a máquina de frenologia pseudo científica

Em 1850, a frenologia ganhara a atenção popular de médicos e intelectuais de todo o país e era usada para explicar todo tipo de lesões cerebrais e transtornos mentais.

O American Phrenological Journal publicou índices de cada órgão, juntamente com outros remédios charlatães, como magnetismo animal. A lista completa incluía desde suavidade, construtividade e inteligência a sublimações mais estranhas da nossa ideia de tempo, esperança e até peso.

ANÚNCIO

O caminho para descobrir onde estavam todas essas zonas e o que elas significavam estava cheio de ciência ruim. Um inquilino principal da frenologia era que o crânio crescia sobre o cérebro durante o desenvolvimento da primeira infância.

Eles alegaram que o osso se moldou ao redor do cérebro, espelhando os “órgãos” internos. Órgãos que eram maiores que a média eram considerados mais fortes ou mais poderosos. Eles também acreditavam que o crânio replicava a topografia do cérebro e poderia ser usado como um indicador direto do cérebro de uma pessoa.

Psicografia: a máquina de frenologia pseudo científica

Após uma série de dissecções e um punhado de medições da cabeça em pessoas praticamente aleatórias, os frenologistas estabeleceram uma escala para os órgãos cerebrais.

George Combe – uma figura responsável pela ampla aceitação da frenologia – reconciliou uma possível brecha entre a pseudociência e a religião, argumentando que nenhuma zona era inerentemente má ou ruim, mas as classificações variaram de “deficiente” a “muito superior”.

Construídas em Minneapolis, Minnesota, durante o século 20 essas máquinas teriam sido instaladas em consultórios médicos, shoppings, teatros e feiras como um equivalente às máquinas públicas de pressão arterial de hoje. Eles permitiram que qualquer um que fosse corajoso o suficiente para usar o desconfortável capacete de metal e arame imprimisse seu próprio perfil frenológico.

phrenology helmet

O capacete passou pelas orelhas e foi apertado em torno da cabeça do paciente. Os fios de metal giravam para coincidir com a forma do crânio e os fios de cobre completavam os circuitos em diferentes graus de elevação.

Uma vez ligado, o dispositivo eletrificaria o compartimento da cabeça e faria uma leitura. Em pouco tempo, ele calcularia sua pontuação e forneceria uma impressão para levar consigo. Acredite ou não, esses dispositivos eram comuns nos Estados Unidos até a década de 1930!

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO