Primeiras quimeras de porco-macaco foram criadas na China

ANÚNCIO

O que tem o corpo de um leitão e as células de um macaco? Esta quimera macaco-porco.

Dois leitões recém-nascidos na China parecem suínos médios por fora, mas por dentro eles são (muito pequenos) parte de um macaco.

ANÚNCIO

Uma equipe de pesquisadores gerou as criaturas primatas de porco injetando células-tronco de macacos em embriões de porcos fertilizados e depois implantando-as em porcas substitutas, de acordo com um artigo da New Scientist. Dois dos leitões resultantes se transformaram em animais interespécies conhecidos como quimeras, o que significa que eles continham DNA de dois indivíduos distintos – neste caso, um porco e um macaco.

Primeiras quimeras de porco-macaco foram criadas na China

“Este é o primeiro relatório de quimeras a termo de macaco-porco”, disse à New Scientist o co-autor Tang Hai, pesquisador do Laboratório Chave do Estado de Células-Tronco e Biologia Reprodutiva em Pequim. Eventualmente, Hai e seus colegas pretendem cultivar órgãos humanos em animais para uso em procedimentos de transplante. Por enquanto, a equipe planeja ficar com células de macaco, pois o desenvolvimento de quimeras humano-animal apresenta uma série de “questões éticas”, observaram os autores em um relatório publicado em 28 de novembro na revista Protein & Cell.

ANÚNCIO

Primeiras quimeras de porco-macaco foram criadas na China

Para criar quimeras de primatas de porco, Hai e seus co-autores primeiro cultivaram células de macacos cinomolgos (Macaca fascicularis) em pratos de laboratório. A equipe alterou o DNA das células, inserindo instruções para construir uma proteína fluorescente, o que fez com que as células brilhassem em um verde brilhante. Essas células luminescentes deram origem a células-tronco embrionárias igualmente radiantes, que os pesquisadores injetaram em embriões de porco preparados. Esses pontos brilhantes permitiram aos pesquisadores rastrear as células dos macacos à medida que os embriões se transformavam em leitões.



No total, 4.000 embriões receberam uma injeção de células de macaco e foram implantados em porcas substitutas. Os porcos tinham 10 leitões como resultado do procedimento, mas apenas dois filhotes cultivaram células de porco e macaco. Ao procurar por manchas de verde fluorescente, a equipe encontrou células de macaco espalhadas por vários órgãos, incluindo coração, fígado, baço, pulmões e pele.

 

Em cada órgão, entre uma em 1.000 e uma em cada 10.000 células eram células de macaco – em outras palavras, as quimeras interespécies eram mais de 99% de suínos.


Embora baixa, a proporção de células de macaco para porco ainda superava a quantidade máxima de células humanas já crescidas em uma quimera humano-animal. Em 2017, os cientistas criaram quimeras de porco humano que cresceram apenas uma célula humana para cada 100.000 células de porco. Os embriões interespécies só puderam se desenvolver por um mês por razões éticas, incluindo a preocupação de que as células humanas pudessem crescer no cérebro da quimera e conceder a consciência animal semelhante à humana, de acordo com a New Scientist.

 

Apesar dessas dúvidas éticas, a mesma equipe de pesquisadores criou quimeras macaco-humano no início deste ano, de acordo com um relatório de julho do jornal espanhol El País. Os resultados do controverso experimento ainda não foram relatados, mas os cientistas disseram que nenhum embrião humano-primata pode se desenvolver por mais de algumas semanas, informou o jornal.

 

Hai e seus co-autores podem ter evitado os problemas éticos envolvidos nas quimeras humano-animal, mas um especialista não ficou impressionado com seus leitões interespécies. O biólogo de células-tronco Paul Knoepfler, da Universidade da Califórnia em Davis, disse à New Scientist que a baixa proporção de células de macaco para porco parece “bastante desanimadora”. Além disso, as duas quimeras e os outros oito leitões morreram logo após o nascimento, observou ele.

 

O motivo exato da morte dos leitões permanece “incerto”, disse Hai à New Scientist, mas ele suspeita que as mortes estejam relacionadas ao procedimento de fertilização in vitro (fertilização in vitro) e não à injeção de DNA de macaco. Outros cientistas também descobriram que a fertilização in vitro não funciona consistentemente em porcos, de acordo com um relatório de 2019 da revista Theriogenology.

 

No futuro imediato, Hai e seus colegas pretendem aumentar a proporção de células de macaco para células de porco em futuras quimeras e, eventualmente, desenvolver órgãos de macaco inteiros em seus porcos, disse Hai à New Scientist. Em seu artigo, os autores observaram que seu trabalho em porcos poderia ajudar a “abrir caminho” em direção ao “objetivo final da reconstrução de órgãos humanos em um animal de grande porte”.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Live Science

ANÚNCIO