Por que os morcegos não ficam doentes com os vírus que carregam, mas os humanos ficam

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Uma das primeiras perguntas que os cientistas fazem quando uma nova doença aparece é: “De onde isso veio?”

 

Muitos vírus saltam de animais para humanos, um fenômeno conhecido como “transbordamento zoonótico”. Embora ainda não esteja claro qual animal foi a fonte da atual pandemia de coronavírus, toda a atenção está nos morcegos.

Por que os morcegos não ficam doentes com os vírus que carregam, mas os humanos ficam

A transmissão de vírus de morcegos para humanos não é apenas uma questão de um morcego morder alguém ou lamber seu sangue. (Os morcegos não sugam sangue como nas histórias de vampiros.) Geralmente, é um cenário muito mais complexo que pode envolver um host intermediário.

 

Muitos outros animais também são conhecidos por serem repositórios de doenças humanas. Roedores carregam a praga, porcos transmitem influenza e aves transportam o vírus do Nilo Ocidental. Então, por que os morcegos são tão frequentemente culpados por transmitir doenças?

 

Como cientista que passou anos estudando a evolução dos morcegos em vários países da América do Sul, América do Norte e Caribe, acho que essas criaturas noturnas são frequentemente vítimas de informações erradas. A maioria das pessoas tem medo de morcegos, e há uma tendência a conectá-los a coisas ruins.

 

Uma das razões pelas quais os morcegos são culpados pela doença não tem nada a ver com a ciência. Morcegos estão associados a vampiros e histórias de horror, o que causa medo e mal-entendidos em relação a essas criaturas voadoras.

 

Os outros motivos estão fundamentados em evidências. Os morcegos são a segunda ordem de mamíferos mais rica em espécies. Existem mais de 1.400 espécies distribuídas em todo o mundo, exceto na Antártica. Eles vivem em áreas urbanas e naturais e todos têm o potencial de transmitir vírus. Os morcegos também são mamíferos, e essa relação com os seres humanos aumenta a probabilidade de serem hospedeiros de zoonoses do que pássaros e répteis, por exemplo.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Live Science