Por que as salamandras podem recuperar seus membros e nós não?

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Quando um lagarto perde a cauda, a cauda volta a crescer. As salamandras são ainda mais impressionantes, podendo crescer novamente membros perdidos. Então, por que os humanos não podem fazer o mesmo?

Um dos vilões do Homem-Aranha se perguntou a mesma coisa. O Dr. Curtis Connors queria recuperar o seu próprio braço perdido, então ele estudou o DNA dos répteis e experimentou a si mesmo. Como ele esperava, seu corpo usou o DNA do lagarto para fazer crescer o braço para trás. Aliás, esse experimento também o transformou em um monstro verde e escamoso, que geralmente era considerado um resultado negativo.

Como sabemos, o Dr. Connors, também conhecido como “O Lagarto”, é fictício. Mas isso nos leva a pensar: poderiam cientistas de verdade usar os segredos de répteis e anfíbios para ajudar os humanos a voltar a crescer nossas partes do corpo que faltam?

Os seres humanos têm algum talento para a regeneração; podemos curar ossos quebrados e cortar a pele. Porém, as salamandras, como o axolote, são muito mais impressionantes, pois podem voltar a crescer membros amputados, com ossos e músculos formados como novos.

salamander

Os cientistas não identificaram o método exato de como répteis e anfíbios regeneram ossos, na esperança de transferir essa prática para membros humanos, mas estão aprendendo. Por exemplo, em 2014, cientistas da Universidade Estadual do Arizona publicaram pesquisas descrevendo a “receita genética” que os lagartos usam para regenerar suas caudas. 302 de 326 desses genes correspondiam a genes de mamíferos. Os lagartos estão mais intimamente relacionados aos seres humanos do que as salamandras e, portanto, têm genes mais semelhantes.

Houve várias outras pistas sobre como as salamandras voltam a crescer suas partes amputadas do corpo. Por exemplo, sabemos que as células imunes, chamadas macrófagos, impedem a formação de tecido cicatricial. Sem macrófagos, os axolotls cicatrizam sobre locais de membros amputados em vez de regenerá-los. Outro gene, Lin28a, é ativo em animais mais jovens e se torna inativo na idade adulta. Quando esse gene foi estimulado em mamíferos mais velhos, eles foram melhores na cicatrização das pontas dos dedos dos pés e das orelhas.

Como está agora, estamos longe de criar tratamentos para ajudar os humanos a crescer novamente em nossos próprios membros. No entanto, estamos um pouco mais perto de entender como as pessoas se curam, e essa pesquisa poderia ser usada para ajudar as pessoas a curar tecidos danificados, como cartilagem e músculos.

Infelizmente, os cientistas estão apenas começando a entender como os répteis, anfíbios e estrelas do mar fazem isso. Nenhum monstro lagarto para nós.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys