Início Curiosidades

Pocahontas amava John Smith e salvara sua vida?

Ela tinha apenas 11 anos quando JOHN SMITH chegou.

A Disney e algumas outras versões da história de Pocahontas retratam o inglês John Smith como um homem que se apaixona por uma princesa indiana que salvou sua vida.

Smith até escreveu em seu livro Generall Historie of Virginia que a jovem nativa americana colocou sua própria vida em risco duas vezes para poupar a dele. Na realidade, Pocahontas é jovem demais para o romance quando conheceu Smith e não impediu a morte dele.

O casal tinha um relacionamento, mas era possivelmente mais parecido com irmão e irmã e de natureza política, segundo o historiador David Silverman, da Universidade George Washington.

Pocahontas nasceu por volta de 1596. Seu nome verdadeiro era Amonute, mas ela também era conhecida em particular como Matoaka. Ela recebeu o apelido de Pocahontas, que foi traduzida de várias maneiras, incluindo “brincalhão” e “criança mal-comportada”.

Quando os ingleses estabeleceram Jamestown em 1607, Pocahontas tinha cerca de 11 anos. Seu pai era o chefe Powhatan, e ela era sua filha favorita.

Powhatan governou mais de 30 tribos na área, e seu irmão, Opechancanough, capturou Smith, que tinha 27 anos. Na versão inglesa dos eventos, quando ele conheceu o chefe, sua cabeça foi colocada em cima de duas pedras no chão com um guerreiro em espera, pronto para esmagar seu crânio. Então Pocahontas interveio e impediu a execução.

Não está claro se é assim que as coisas realmente aconteceram. Vários estudiosos acreditam que a execução simulada era na verdade uma cerimônia de adoção e que os Algonquins nunca tiveram a intenção de matar Smith, que provavelmente não entendeu o que estava acontecendo.

Alguns sugeriram que Smith era visto como um homem branco, ou chefe tribal. Quando o chefe Powhatan conheceu o inglês, ele ficou deslumbrado com sua confiança e a bússola de bolso que carregava.

Como resultado, Powhatan o adotou como uma testemunha subordinada e nomeou Smith um membro da tribo, referindo-se a ele como seu filho. A dupla também trocou presentes – Powhatan recebeu duas armas e uma pedra de amolar, e Smith recebeu Capahowasick no rio York.

Pocahontas era muito singular entre as jovens nativas americanas da época, encarregadas de trabalhos como agricultura, culinária e fornecimento de suprimentos para o lar. Embora Jamestown estivesse cheio de estrangeiros armados, conhecidos por serem hostis aos índios, Pocahontas não se intimidou.

Ela bravamente aliou-se a Smith para facilitar as relações entre os índios e os colonos. Ela liderou delegações indianas para fornecer alimentos aos moradores de Jamestown e também conseguiu negociar a libertação de cativos indianos. Os ingleses viam Pocahontas como um símbolo de paz. Ela não era uma ameaça porque era criança, e eles sabiam que ela era a filha favorita do chefe Powhatan.

Eventualmente, as tensões cresceram entre as tribos Powhatan e os colonos ingleses. A comida era escassa e as negociações desmoronaram. Depois que as colheitas não cresceram, Smith e os outros colonos ficaram desesperados, ameaçando os líderes das aldeias se não os ajudassem.

Smith afirmou em seu livro que Powhatan planejava matá-lo, mas Pocahontas foi à sua cabana e avisou-o com antecedência por volta de 1608. Os estudiosos acreditam que isso é falso por várias razões. Primeiro, Pocahontas teria tido problemas para fazer qualquer coisa em segredo, porque seu pai era o chefe e suas ações teriam sido notadas. Além disso, Powhatan já havia se oferecido para fornecer mais provisões aos colonos.

Em 1609, Smith foi ferido por uma explosão acidental de pólvora e retornou à Inglaterra para tratamento. A essa altura, Pocahontas era adolescente e tinha idade para se casar. Alguns acreditam que em 1610 ela se casou com um homem chamado Kocoum, que não era chefe e não tinha uma posição de alto status. É possível que ela tenha se casado por amor.

Em 1613, Pocahontas foi sequestrada. Em alguns relatos, Kocoum foi morto. Enquanto cativo, Pocahontas se converteu ao cristianismo e recebeu o nome de Rebecca. Ela se casou com o inglês John Rolfe em 1614 e eles tiveram um filho, Thomas, no ano seguinte.

A família viajou para a Inglaterra em 1617, onde se reuniu com Smith antes de contrair uma doença respiratória e morrer na cidade ironicamente nomeada de Gravesend.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys