A piscina dos mortos

Chichén Itzá: Um lugar paradisíaco, cheio de piscinas naturais e corpos.




Chichén Itzá

1280px-Chichen_Itza_1

No estado de Lucatã, no México, existe uma cidade arqueológica chamada Chichén Itzá. Durante muito tempo, no passado, ela foi a capital cultural e econômica dos Maias. Tanto que algumas das mais belas obras feitas por esse povo estão lá: A pirâmide de Kukulkán, o Templo de Chac Mool, a Praça das Mil Colunas e o Campo de Jogos dos Prisioneiros.

chichen-itza

A cidade, que foi fundada em 435 a.C, sobreviveu até 670 d.C, quando foi abandonada. Somente 300 anos depois, ela voltou a ser habitada e atingiu seu esplendor máximo. Após isso, acredita-se que ela tenha entrado em declínio, até virar uma cidade fantasma. Contudo, sua grande beleza fez com que fosse considerada uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo.




As piscinas da morte

Cenote-Ik-Kil-Mexico-Late-afternoon-view

Outro ponto que chama a atenção nessa cidade são suas enormes piscinas naturais. Essa atração traz milhares de turistas todos os anos devido a sua grande beleza, mas essas águas guardam segredos macabros.

Dentro desses lagos existem milhares de corpos humanos decompostos! Os Maias acreditavam que, para haver uma boa colheita e ótimas chuvas, era necessário sacrificar pessoas em nome do deus Chaak, o deus da chuva. Por isso, várias vezes ao ano, alguns corpos eram jogados lá dentro, porém, antes disso, eles tinham seus corações arrancados ou eram degolados. Em casos especiais, o sacrifício era jogado vivo dentro do lago e afogado até a morte.

Para completar a cena macabra, os Maias usavam uma espécie de tinta azul, que deixa a água com essa coloração até hoje. A concentração desse material é tão grande que existe uma camada grossa de lodo azul no fundo dos lagos.

Basta um ligeiro mergulho nessas águas para darmos de cara com dezenas de esqueletos jogados por todos os cantos. É quase impossível não encontrar algum, em uma rápida espiada:

211763_v1




211764_v1




211767_v1




Team divers inspecting and filming Mayan remains of sacrifices in San Antonio Cenote




Inspecting human remains from Mayan sacrifices at Kanum Cenote




image-425685-galleryv9-efsa




image-425686-panoV9-eifg

Siga Diego Martins no Google+: gplus/diegomartins

Ou adicione no Facebook: http://www.facebook.com/diegominilua

Faça parte de nosso grupo: http://www.facebook.com/groups/188760724584263/

Receba mais em seu e-mail

A piscina dos mortos

Chichén Itzá: Um lugar paradisíaco, cheio de piscinas naturais e corpos.




Chichén Itzá

1280px-Chichen_Itza_1

No estado de Lucatã, no México, existe uma cidade arqueológica chamada Chichén Itzá. Durante muito tempo, no passado, ela foi a capital cultural e econômica dos Maias. Tanto que algumas das mais belas obras feitas por esse povo estão lá: A pirâmide de Kukulkán, o Templo de Chac Mool, a Praça das Mil Colunas e o Campo de Jogos dos Prisioneiros.

chichen-itza

A cidade, que foi fundada em 435 a.C, sobreviveu até 670 d.C, quando foi abandonada. Somente 300 anos depois, ela voltou a ser habitada e atingiu seu esplendor máximo. Após isso, acredita-se que ela tenha entrado em declínio, até virar uma cidade fantasma. Contudo, sua grande beleza fez com que fosse considerada uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo.




As piscinas da morte

Cenote-Ik-Kil-Mexico-Late-afternoon-view

Outro ponto que chama a atenção nessa cidade são suas enormes piscinas naturais. Essa atração traz milhares de turistas todos os anos devido a sua grande beleza, mas essas águas guardam segredos macabros.

Dentro desses lagos existem milhares de corpos humanos decompostos! Os Maias acreditavam que, para haver uma boa colheita e ótimas chuvas, era necessário sacrificar pessoas em nome do deus Chaak, o deus da chuva. Por isso, várias vezes ao ano, alguns corpos eram jogados lá dentro, porém, antes disso, eles tinham seus corações arrancados ou eram degolados. Em casos especiais, o sacrifício era jogado vivo dentro do lago e afogado até a morte.

Para completar a cena macabra, os Maias usavam uma espécie de tinta azul, que deixa a água com essa coloração até hoje. A concentração desse material é tão grande que existe uma camada grossa de lodo azul no fundo dos lagos.

Basta um ligeiro mergulho nessas águas para darmos de cara com dezenas de esqueletos jogados por todos os cantos. É quase impossível não encontrar algum, em uma rápida espiada:

211763_v1




211764_v1




211767_v1




Team divers inspecting and filming Mayan remains of sacrifices in San Antonio Cenote




Inspecting human remains from Mayan sacrifices at Kanum Cenote




image-425685-galleryv9-efsa




image-425686-panoV9-eifg

Siga Diego Martins no Google+: gplus/diegomartins

Ou adicione no Facebook: http://www.facebook.com/diegominilua

Faça parte de nosso grupo: http://www.facebook.com/groups/188760724584263/

Receba mais em seu e-mail
Topo