Pep Guardiola sugere o segundo bloqueio da Premier League: “O futebol não pode ser uma exceção”

O técnico do Manchester City, Pep Guardiola, lançou dúvidas sobre se a Premier League deve continuar após um segundo bloqueio nacional.

O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou as restrições no sábado, com todos os serviços não essenciais fechando a partir de quinta-feira por um período de quatro semanas.

O esporte de elite recebeu uma isenção para continuar normalmente, embora os fãs ainda sejam proibidos de assistir aos jogos.

Técnico fala que eles não podem ser exceções

A Premier League pausou sua temporada quando o país entrou no primeiro bloqueio, retomando apenas quando um sistema de testes totalmente operacional estava em vigor.

E Guardiola agora questiona se é a decisão certa continuar jogando desta vez.

Falando antes do discurso de Johnson, o chefe do Blues disse: “É difícil. Sei que o primeiro-ministro está tomando a decisão porque a situação está piorando. Aconteceu na Espanha, Alemanha e França. Em todos os lugares.”

Pep Guardiola sugere o segundo bloqueio da Premier League: "O futebol não pode ser uma exceção"

“Então o vírus ainda está aí. Talvez as pessoas digam que é mais forte. Acho que o mundo do futebol não pode ser exceção no que está acontecendo na sociedade.”

“Então, se tivermos que jogar, vamos jogar. Mas não queremos ser diferentes do resto da sociedade quando eles têm que fechar restaurantes ou qualquer coisa.”

Leia também: Pep Guardiola confirma plano do Man City em meio a especulações de Barcelona

Guardiola pede ajuda da população

“É uma posição na qual não estou envolvido. Quero estar seguro. Quero ficar bem para mim, para minha família, meus amigos, para toda a Inglaterra, todo o Reino Unido. Mas, honestamente, não sei.”

Guardiola exortou o público a levar a sério a segunda onda de Covid-19 – e fazer o que foi pedido e permanecer dentro de suas casas.

“Não é uma piada. É sério”, acrescentou. “Se ele disser para ficar em casa, você tem que ficar em casa. Se ele disser para não fazer isso, nós não faremos.”

“Porque não é justo que metade da população faça o que temos que fazer e o primeiro-ministro diz isso, e o resto do povo faz o que quer.”

“Portanto, temos que estar conscientes – a realidade é difícil. Se tivermos que parar, vamos parar.”

“Se tivermos que jogar, porque eles decidem que é bom para a sociedade ou para eu não sei, é só ficar alerta, ter cuidado, tomar consciência máxima dos perigos da situação em que vivemos”.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua

Fonte: Mirror