Os romanos antigos usavam pênis voadores para afastar a má sorte

ANÚNCIO

ANÚNCIO

Com as coisas do jeito que estão no mundo agora; você pode querer testar um novo amuleto de boa sorte.

Os romanos antigos usavam pênis voadores para afastar a má sorte

E quem sabe até fazer como os antigos romanos que se armaram com amuletos em forma de pênis voadores para evitar doenças e azar … tentados?

As peças bizarras seriam usadas no pescoço das pessoas ou penduradas na casa da família, na tentativa de proteger-se contra qualquer coisa indesejável.

Segundo o especialista Anthony Philip Corbeill, que falou com o Atlas Obscura, os amuletos foram encontrados por arqueólogos de todo o mundo, inclusive na Itália e Israel.

Corbeill explicou que, antigamente, as pessoas que usavam os dardos voadores acreditavam que receberiam “poder divino”.

Ele acrescentou: “A energia sexual do falo estava ligada diretamente ao seu poder na reprodução”.

Especialistas dizem que os amuletos da sorte costumavam ser usados ​​no pescoço de meninos, com seus pais acreditando que isso manteria seus filhos seguros e era uma maneira de mostrar seu status. As meninas tinham símbolos semelhantes que usavam.

Com as taxas de mortalidade infantil tão altas na Roma antiga – cerca de metade das crianças morreram antes dos cinco anos de idade – era provável que os pais preocupados estivessem dispostos a tentar métodos sobrenaturais para manter seus pequenos seguros.

Para dobrar a proteção, também existem amuletos do pênis – conhecidos como fascinus – com um pênis em uma extremidade e um punho fechado na outra. Kinky.

Os romanos antigos usavam pênis voadores para afastar a má sorte

O punho cerrado, de acordo com o Atlas Obscura, é chamado de ‘figa’ e é simbólico do pênis e órgãos genitais em geral, portanto, ter um deles tornaria seu amuleto da sorte duas vezes mais afortunado. Com sorte ou não, não tenho certeza se estaria disposto a brincar com um desses em volta do pescoço.

E enquanto estamos no assunto da arqueologia e da má sorte, em dezembro passado um arqueólogo acidentalmente soltou a bomba fedorenta mais antiga do mundo depois de abrir um ovo romano de 1.700 anos encontrado em uma escavação em Buckinghamshire.

Na sociedade romana, os ovos simbolizavam fertilidade e renascimento, e cascas de ovos foram encontradas em outros locais romanos do Reino Unido antes – mas nunca um ovo completo.

A equipe por trás da descoberta acredita que os ovos e a cesta podem ter sido colocados no poço alagado como oferendas de alimentos em uma cerimônia religiosa.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ladbible