Os experimentos mais macabros da história

Atualmente, já estamos bem melhores, mas ainda temos muito o que melhorar, entretanto, durante a Segunda Guerra Mundial, atingimos o fundo do poço, tanto que os experimentos mais cruéis e bizarros já feitos pelo homem datam dessa época. Confira:




Unidade 731

unidade 731

Era o local onde o centro de pesquisa e desenvolvimento biológico e químico secreto do Exército Imperial Japonês fazia seus experimentos, mediados pelo comandante Shiro Ishii. As experiências envolviam vivissecção em pessoas, mulheres grávidas, amputação de membros e até mesmo o congelar e o descongelar de corpos para se estudar a gangrena.




Testes Nazistas

dachautests

Já falamos de alguns deles aqui no blog, mas só para lembrar, os nazistas possuíam até mesmo um “anjo da morte”, como ficou intitulado Josef Mengele, o qual realizava experimentos como juntar dois bebês para ver se conseguia fazer com que crescessem juntos, como injetar substâncias químicas nos olhos deles para ver se mudavam de cor e por aí vai.




Testes Soviéticos

The Chamber

A polícia secreta soviética comandava o laboratório de pesquisa e desenvolvimento de venenos secretos mortais, que ficou conhecido como The Chamber (A Câmara), nele, foram criadas armas químicas, como o gás mostarda. Eles buscavam um veneno que não fosse detectável após a morte do indivíduo.




Prisão de Stanford

stanford

Liderada pelo psicólogo Philip Zimbardo em uma prisão simulada no porão da Universidade de Stanford, esta experiência consistia em traumatizar e prejudicar psicologicamente diversos indivíduos para analisar a resposta humana ao cativeiro e seus efeitos comportamentais.




Radiação nos testículos

radiação

Esta experiência foi feita entre 1963 e 1973, em Oregon e Washington, nos EUA, em 10 presidiários, eles eram eletrocutados com mais de 400 rads de radiação em intervalos de dez minutos.

Receba mais em seu e-mail
Carregar mais
Topo
<-- /home/minilua/public_html/wp-content/cache/static/https/minilua.com/os-experimentos-mais-macabros-da-historia/index.html //-->