Os curiosos rituais de ligação do crânio na Nova Grã-Bretanha

ANÚNCIO

Manipulação e deformação craniana podem ser encontradas em todo o mundo.

Enquanto algumas culturas alongavam seus crânios a comprimentos aparentemente impossíveis, outras buscavam uma testa mais plana ou uma mudança mais modesta.

ANÚNCIO

Na ilha hoje conhecida como Nova Grã-Bretanha, dentro do arquipélago de Bismarck, na Papua-Nova Guiné, a ligação ao crânio era uma prática comum.

A prática, no entanto, desapareceu lentamente sob a influência de missionários cristãos na ilha. Mesmo quando os pesquisadores de Oxford chegaram na década de 1930, a ligação do crânio estava começando a declinar.

skull binding

ANÚNCIO

O povo da Nova Grã-Bretanha começou a amarrar os filhos à nascença, geralmente logo após o primeiro banho.

A prática não foi realizada por motivos religiosos ou como qualquer tipo de rito de passagem. Segundo os moradores, a prática era exclusivamente de beleza e moda.

As mulheres nessas aldeias davam à luz em cabanas fechadas, e uma mulher atendente ou, às vezes, a própria mãe começava o processo de ligação quase imediatamente.

Primeiro, a cabeça do recém-nascido seria coberta por uma pasta preta feita de carvão e água misturada em um coco.

Então, uma longa tira de tecido de casca de árvore foi amarrada na cabeça.

Os ouvidos também costumavam ser atados.

Ataduras mais apertadas significavam um crânio mais alongado, mas as crianças não pareciam incomodadas com o procedimento, raramente chorando.

Todo o processo dependia principalmente da mãe e da avó.

Não havia tempo prescrito para uma criança usar o encadernado.

Alguns usavam até o momento em que podiam andar sozinhos, enquanto outras mães desistiam se o filho se tornasse exigente.

As bandagens eram trocadas em intervalos irregulares ou sempre que a mãe dispunha de tempo.

A chegada de um novo filho muitas vezes desviaria a atenção de um filho mais velho, e eles não usariam mais o elo.

skull binding

Algumas famílias enterram os primeiros curativos de uma criança sob coqueiros para prosperidade, mas a antropóloga Beatrice Blackwood observou que o ritual não era muito importante e que os pais não tinham problemas em dar curativos para estudo.

Esse processo aparentemente casual para a ligação do crânio deixou muitas crianças abertas ao bullying.

Blackwood observou que os pais de uma criança perderam a ligação de uma das orelhas e, como resultado, ficou presa.

As crianças brincavam entre si por orelhas salientes, ou se a cabeça não fosse longa o suficiente.

Dizia-se que um crânio não ligado “parecia uma pedra”, de acordo com crianças que riem.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO