Início Curiosidades

O verdadeiro cientista que inspirou Frankenstein

Quando perguntada sobre o que a inspirou a escrever sua história de horror gótico, a autora de Frankenstein, Mary Shelley, costuma dizer que escreveu seu livro em um sonho frenético e desperto. O que é frequentemente esquecido é que ela e seus amigos passaram a noite conversando sobre a Reanimação Galvânica.

A reanimação galvânica foi descoberta por Luigi Galvani no final dos anos 1700. Naquela época da história, a humanidade havia começado a descobrir como aproveitar a eletricidade. Galvani, procurando desvendar os segredos da biologia, também fez uma descoberta acidental quando seu bisturi eletrificado causou um sapo que ele dissecava se contorcer. Isso colocou Galvani por um longo caminho para descobrir como os músculos funcionavam e o que a eletricidade poderia fazer para animá-los.

 

GALVANISMO

 

Enquanto a descoberta de Galvani é creditada com a bioeletricidade pioneira, seu sobrinho levaria a Reanimação Galvânica a um nível totalmente novo. Entrando no mundo da academia científica quando era adolescente, Giovanni Aldini aprendeu muito com seu tio. Onde Galvani parou com sapos, Aldini experimentou animais muito mais avançados e até humanos.

Como Aldini aprendeu que podia estimular músculos diferentes com sondas elétricas, seu domínio da biologia aumentou. Eventualmente, suas manifestações eram voltadas ao público, e ele carregava baterias gigantes de cidade em cidade para demonstrar os efeitos da eletricidade. O público observava com reverência e horror quando ele cortava a cabeça de cães e bois, depois fazia com que eles espasmassem e se contorcessem com eletricidade.

Seu experimento mais famoso ocorreu em Londres, 1803. Um homem chamado George Foster havia assassinado sua esposa e filho. Depois de fazer uma confissão, ele foi condenado à execução e dissecação. Pouco depois de ser enforcado, seu corpo foi levado para uma demonstração por Aldini. O cientista assumiu o projeto com facilidade, demonstrando sua capacidade de manipular o corpo.

Os jornais informaram que as pessoas que testemunharam a manifestação temiam que Foster retornasse à vida e ponderavam o que isso significaria para sua sentença de morte. Em todo o mundo, as pessoas consideravam as ramificações da reanimação, mas Aldini não se incomodou com nada disso. Aldini sabia que não estava trazendo ninguém de volta à vida. Ele costumava reiterar que seu objetivo não era se meter com os mortos, mas encontrar maneiras de manipular os vivos.

Aldini continuaria trabalhando em eletroterapia. Além de seus trabalhos em medicina, Aldini atuou como engenheiro, responsável pelo design de muitos faróis. Eventualmente, o Imperador da Áustria fez dele um Cavaleiro da Coroa de Ferro, antes de Aldini falecer em 1834.

O legado de Aldini, no entanto, permanece mais lembrado no romance de Shelley.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys