O primeiro homem foi conservado criogênico em 1967

ANÚNCIO

Todos nós ouvimos os rumores de celebridades famosas e a elite mundial congelando seus corpos doentes na esperança de serem reanimados em um futuro distante, quando uma cura for encontrada para sua doença.

Essa prática, a criônica, conta com temperaturas abaixo de zero para preservar esses corpos em um estado de animação suspensa, mas onde termina a ciência e a ficção começa?

ANÚNCIO

cryonics

O primeiro homem congelado

A primeira pessoa a ser criopreservada foi o Dr. James Bedford em 1967.

Bedford era professor de psicologia na Universidade da Califórnia com câncer de rim que começara a afetar seus pulmões. Nesse ponto da história da medicina, não havia sequer uma maneira de tratar sua condição.

ANÚNCIO

Poucas horas depois de sua morte, os médicos da Life Extension Society congelaram seu corpo. A maioria dos pesquisadores de criônicos hoje acredita que a preservação de Bedford não era viável, no entanto, um produto químico destinado a auxiliar no processo de preservação foi bombeado para o corpo de Bedford, que os médicos agora acham que pode ter causado danos permanentes ao cérebro, tornando impossível restaurá-lo.

cryonics transfer

No testamento de Bedford, ele deixou a Life Extension Society $ 100.000 para ir para a pesquisa, mas sua esposa e filho gastaram mais do que a quantia de dinheiro enquanto defendia a vontade de Bedford no tribunal.

Desde então, seu corpo mudou-se entre cinco instalações diferentes desde sua preservação e foi mantido por membros de sua família por um tempo.

Crônica moderna

A criopreservação de todo o corpo continua a ser vista com ceticismo pela comunidade científica convencional. A grande brecha entre o consenso científico e a fé criônica é o potencial para o cérebro ser preservado a longo prazo sem sofrer danos.

Atualmente, os cirurgiões usam temperaturas frias para diminuir a taxa metabólica do cérebro, tolerando a privação de oxigênio por longos períodos, mas mesmo essa prática resulta em danos cerebrais em torno dos 40 minutos.

cryonics procedure

Desde a preservação de Bedford, a maioria dos avanços criônicos foi feita para proteger o corpo contra danos durante o processo de congelamento. Congelar o corpo de forma a impedir que os cristais de gelo danifiquem o cérebro usa crioprotetores e vitrificação.

A vitrificação permite que os líquidos congelem enquanto se mantém em um estado mais suave e mais fluido, mantendo os cristais de gelo danificados pelos tecidos. Apesar desses avanços, os danos causados ​​pela criopreservação do corpo humano são irreversíveis com a tecnologia e os procedimentos modernos.

O processo

Para ser criopreservado nos Estados Unidos, você primeiro precisa ser declarado legalmente morto. Depois disso, você deve financiar o processo de congelamento cuidadoso.

Isso pode custar entre US $ 28.000 e US $ 200.000 e geralmente é pago pelas apólices de seguro de vida, embora você possa ficar congelado por um pouco mais barato na Rússia. Depois de congelado, você recebe taxas de manutenção.

Essa necessidade de um suprimento infinito de dinheiro torna impossível a criopreservação para a maioria das pessoas, embora tenha havido uma tendência de congelar sua cabeça para economizar dinheiro e espaço.

Embora as histórias de Walt Disney sendo congeladas sejam, de fato, errôneas – Disney foi cremado – o jogador de beisebol do Red Sox, Ted Williams, é provavelmente a pessoa mais conhecida a ser congelada criogênicamente.

ted williams

O futuro

Muitas pessoas podem estar esperando um reavivamento em um futuro distante, onde as técnicas de regeneração de tecidos e a neurologia são muito mais avançadas, mas o destino de alguns pacientes criônicos pode não ter tanta sorte.

A Cryonics Society da Califórnia – uma instalação que manteve Bedford por um tempo – ficou sem fundos e perdeu nove pacientes por descongelamento, um aviso de que mesmo a preservação criogênica não é para sempre.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO