O mistério dos pés flutuantes

ANÚNCIO
ANÚNCIO

As marés oceânicas depositaram 14 pés humanos na costa de uma província canadense na última década, e a preferência do falecido por roupas ativas pode ser a causa do fenômeno incomum.

A partir de 2007, 13 pés de tênis chegaram à costa na Colúmbia Britânica. Um homem caminhando na praia da ilha de Gabriola, no estreito da Geórgia, descobriu o 14º pé em 6 de maio de 2018. O apêndice estava preso a uma bota de caminhada e estava preso em um tronco, informou a Real Polícia Montada do Canadá.

muddy sneakersLocalização de pés ausentes no escritório do médico legista do BC.

Os avanços na tecnologia de tênis podem ser a razão pela qual tantos pés separados estão indo para a província mais ocidental do Canadá. Barb McLintock do B.C. O escritório do legista observou em 2016 que novos estilos de tênis geralmente contêm espuma leve que “eventualmente lhes permite ser leves o suficiente para flutuar e se lavar na praia”. Como os tênis são muito duráveis, protegem os pés da decomposição.

Muitos calçados esportivos contêm malha, o que os torna respiráveis, mas também mais dinâmicos do que calçados feitos de outros materiais (ou seja, couro). Os sintéticos também reduzem o peso dos tênis.

As novas marcas apresentam amortecimento que faz com que o usuário se sinta como se estivesse andando no ar. A tecnologia Adidas Boost, por exemplo, inclui amortecimento de espuma que não quebra com muita facilidade.

Não está claro de onde vêm os pés destacados, mas as teorias variaram amplamente de desastres naturais a acidentes de avião e navio. Alguns até especularam que os pés são de vítimas de serial killers, da máfia ou até de alienígenas.

No entanto, as autoridades garantiram ao público que não há suspeita de crime em nenhum dos casos, porque não há sinais de trauma. Os indivíduos morreram acidentalmente, possivelmente devido a tempestades próximas à costa ou tiraram a própria vida.

Afogamentos não são incomuns perto de oceanos ou lagos e, ocasionalmente, os corpos de pessoas que morrem de causas naturais perto de uma costa acabam no oceano.

O mistério dos pés flutuantes

Durante a decomposição, os pés se desarticulam naturalmente dos corpos, um processo que acontece mais rapidamente na água do que na terra. Os tênis dos defuntos protegem os apêndices, impedindo que as criaturas marinhas os engulam.

Ao longo dos anos, algumas pessoas tentaram enganar as autoridades colocando ossos de galinha, carne crua e esqueletos de pés de cachorro em tênis e deixando-os na praia para que as pessoas encontrassem.

O 13º pé apareceu em dezembro de 2017, na costa sul da ilha de Vancouver. Pertencia a um homem idoso do estado de Washington que desapareceu e mais tarde foi encontrado morto.

missing feet

B.C. é um ímã para pés separados por causa dos padrões de maré e de corrente. Sua costa faz parte do Mar Salish, um corpo de água que inclui o Puget Sound e o Estreito da Geórgia. Alguns itens que flutuam no oceano são empurrados pelo vento, que no mar Salish se move de oeste para leste. Os pés também apareceram no estado de Washington.

A Leg-In-Boot Square, em Vancouver, B.C., teria sido nomeada após um incidente em 1887, no qual uma bota com metade de uma perna humana ligada a ela apareceu nas margens de False Creek.

Até agora, as autoridades identificaram oito dos pés separados, dois dos quais eram pares. Os pés restantes restantes são do sexo masculino. O DNA dos pés pode ser difícil de analisar, dependendo da quantidade de tempo que os apêndices passaram em decomposição na água salgada.

A temperatura da água desempenha um grande papel na taxa de decomposição. A água fria promove o crescimento de uma substância com cera e sabão chamada adipocere, que preserva parcialmente o corpo.

Em águas abaixo de 7 ° C, não é incomum que os corpos permaneçam quase completamente sem manchas por várias semanas. Eventualmente, a pele absorverá a água e se afastará do corpo.

Na água tropical, um corpo flutua para a superfície dentro de dias, e as criaturas e pássaros do mar o desmembram dentro de uma semana ou duas.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys