O coronavírus pode sobreviver na pele por até 9 horas, alertam os cientistas

ANÚNCIO

Desde que a pandemia do coronavírus foi declarada em Março, muitas pessoas se tornaram mais vigilantes quanto a lavar as mãos regularmente.

E é provável que um novo estudo o faça usar o desinfetante para as mãos com ainda mais frequência.

ANÚNCIO

Pesquisadores da Universidade de Medicina da Prefeitura de Kyoto alertaram que o coronavírus pode sobreviver na pele por até nove horas.

Vírus dura muito mais na pele que o influenza

Enquanto isso, o vírus influenza A (IAV) pode sobreviver na pele humana por cerca de duas horas, de acordo com os pesquisadores.

Com base nas descobertas, os pesquisadores estão incentivando o público a ficar vigilante quanto à lavagem das mãos.

ANÚNCIO

No estudo, publicado na Clinical Infectious Diseases, os pesquisadores, liderados por Ryohei Hirose, disseram: “Este estudo mostra que o SARS-CoV-2 pode ter um risco maior de transmissão por contato (ou seja, transmissão por contato direto) do que o IAV porque o primeiro é muito mais estável na pele humana.”

“Esses resultados apoiam a hipótese de que a higiene adequada das mãos é importante para a prevenção da propagação do coronavírus.”

No estudo, a equipe criou um modelo de pele usando amostras de pele humana de autópsias, antes de colocar o coronavírus e o IAV nas amostras.

Os resultados revelaram que o SARS-CoV-2 sobreviveu nas amostras por 9,04 horas, enquanto o IAV sobreviveu por apenas 1,82 horas.

O coronavírus pode sobreviver na pele por até 9 horas, alertam os cientistas
Foto: (reprodução/internet)

E quando os vírus eram misturados ao muco – simulando a liberação de partículas em uma tosse ou espirro – o SARS-CoV-2 durava até 11 horas.

Leia também: Sintomas do coronavírus: como saber a diferença entre Covid-19, resfriado comum e gripe

Lavar as mãos é a melhor prevenção

Felizmente, quando o desinfetante para as mãos foi aplicado na pele, ambos os vírus foram inativados em 15 segundos.

Os pesquisadores acrescentaram: “A higiene adequada das mãos com desinfetantes à base de etanol leva à rápida inativação viral e pode reduzir o alto risco de infecções de contato.”

Mulher usando máscara e higienizando as mãos
Foto: (reprodução/internet)

O estudo foi feito logo depois que um especialista afirmou que o coronavírus não se espalha através de superfícies que se tocam, como maçanetas e interruptores de luz.

Falando ao Nautilus, Monica Gandhi, professora de medicina da Universidade da Califórnia, em San Francisco, disse: “Não se espalha pelas superfícies. Havia muito medo no início da pandemia sobre a transmissão de fômites.”

“Agora sabemos que a raiz da propagação não vem de tocar em superfícies e em seus olhos.”

É por estar perto de alguém expelindo vírus pelo nariz e pela boca, sem na maioria dos casos saber que o está fazendo”.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua

Fonte: Mirror

ANÚNCIO