Nesta cidade indiana, uma esposa pode facilmente matar seu marido ao fazer jejum

ANÚNCIO

Todo mês de outubro ou novembro, dependendo do ciclo lunar, mulheres hindus devotas se preparam para um festival de um dia que busca segurança e proteção para seus maridos atuais ou futuros.

Este festival, conhecido como Karva Chauth, é amplamente praticado em todo o norte da Índia. O aspecto central do festival envolve mulheres em jejum, do nascer ao nascer da lua. Este jejum exige abster-se de todos os sólidos e líquidos, incluindo a água.

ANÚNCIO

Durante o dia, as mulheres envolvidas no jejum sentam-se em círculo e fazem suas oferendas aos deuses. Depois que a lua nasce, as mulheres fazem uma oferta de água para a lua e, em seguida, devem olhar seu reflexo através de um jarro ou peneira antes de desviar o olhar para o rosto amoroso de seus maridos.

Segundo a tradição, isso concederá ao marido da mulher uma vida longa e feliz.

Karva Chauth looking at moon through sieve

ANÚNCIO

Aparentemente, nada sobre esse festival parece estranho demais. No entanto, o que torna a história única é a cidade de Surir, no distrito de Mathura.

Nesta comunidade específica de 12.000 pessoas, é estritamente proibido às mulheres participar de Karva Chauth. Conta-se que uma maldição de 300 anos afeta todos os moradores da cidade.

Se alguma mulher realizasse os rituais tradicionais de jejum durante o festival, seu marido morreria repentinamente. De fato, a maldição é tão insidiosa que, se uma mulher solteira na cidade jejuasse, um homem casado iria morrer.

Segundo os anciãos da vila em Surir, a maldição começou depois que um marido foi preso por roubo de gado e morto por um grupo de moradores furiosos, ao mesmo tempo em que sua esposa estava ocupada em jejum por Karva Chauth.

Enquanto o corpo do marido morto queimava na pira funerária, a mulher amaldiçoava os aldeões, declarando que eles teriam um sofrimento horrível se participassem do festival. Para pontuar seu argumento, a mulher então se jogou nas chamas e foi queimada viva.

Funeral pyre Taj Mahal

Desde aquele dia, três séculos atrás, os moradores da comunidade levam a maldição muito a sério. Uma mulher na cidade, ignorando as advertências de seus vizinhos, secretamente jejuou em Karva Chauth em 1947.

Estranhamente, seu marido morreu naquela noite depois de cair numa encosta. Desde então, os habitantes da vila tornaram-se mais inflexíveis em garantir a conformidade de todas as mulheres que se mudam para a cidade.

Karva Chauth circle while fasting

Ao longo dos anos, essa intensidade se manifestou em brigas de rua e pelo menos um assassinato, em 1988, quando um marido matou sua esposa quatro anos depois que ela ameaçou jejuar durante o próximo Karva Chauth.

Apesar desta história sórdida e da presença prolongada da maldição, a vila viu um aumento populacional de 2.500 novos residentes nos últimos quinze anos.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Weird Asia News

ANÚNCIO