Não entre em pânico, mas o mundo está ficando sem preservativos por causa do coronavírus

ANÚNCIO

Se você planeja passar as próximas semanas ficando louca com o seu amigo de auto-isolamento ou aproveitando as muitas oportunidades de fazer sexo na hora do almoço, temos más notícias.

A worker performs a test on condoms at Malaysia's Karex condom factory in Pontian

ANÚNCIO

O coronavírus já fez com que dezenas de milhares de empresas fechassem suas portas e agora o vírus está vindo atrás das fábricas de preservativos.

É isso mesmo, primeiro sem rolo ou aglomerações agora sem sexo (a menos que você tenha acesso a outras medidas de controle de natalidade).

Na semana passada, o maior fabricante de preservativos do mundo, Karex Bhd, na Malásia – que fabrica um de cada cinco preservativos usados ​​em todo o mundo – foi forçado a fechar as lojas.

ANÚNCIO

Nem um único preservativo foi produzido pelas três fábricas da empresa.

“Mas certamente já existem preservativos em circulação”, ouvimos você dizer.

Embora você possa encontrar um pacote de profiláticos em sua farmácia ou supermercado local agora, há uma chance de que isso mude em breve, já que já há um déficit de 100 milhões de preservativos no mundo, o que normalmente seria direcionado a empresas privadas, bem como a NHS.

Mas não comece a chorar ainda – há uma solução no horizonte.

Karex Bhd recebeu permissão das autoridades para produzir preservativos mais uma vez a partir desta sexta-feira, mas em uma escala menor, com metade de sua força de trabalho usual.

Mesmo que essa seja uma decisão positiva, ainda haverá menos preservativos disponíveis – e não apenas para os indivíduos, mas muitos deles geralmente são fornecidos para “programas humanitários” que podem ser afetados por muitos meses.

“Vai levar tempo para alavancar as fábricas e lutaremos para acompanhar a demanda com meia capacidade”, disse à Reuters o presidente-executivo Goh Miah Kiat.

‘Veremos uma escassez global de preservativos em todos os lugares, o que será assustador.

‘Minha preocupação é que, para muitos programas humanitários no fundo da África, a escassez não seja apenas de duas semanas ou um mês.

Essa escassez pode levar meses.

‘O bloqueio durará até 14 de abril, mas poderá ser estendido se a situação do coronavírus aumentar no país.

Para piorar a situação, a China também é uma grande produtora de preservativos – e fechou suas fábricas enquanto o país lidava com o spread – e Índia e Tailândia poderiam ser as próximas.

Goh disse: ‘O bom é que a demanda por preservativos ainda é muito forte porque, gostando ou não, ainda é essencial ter. ‘Dado que, neste momento, as pessoas provavelmente não planejam ter filhos. Não é a hora, com tanta incerteza.

‘Isso definitivamente prejudica o auto-isolamento sexy que as pessoas planejavam.

Bem, sempre há masturbação mútua, certo?

Ou apenas considere os próximos meses a oportunidade de provação mais longa da sua vida.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Metro

 

 

ANÚNCIO