Múmia egípcia antiga foi “trazida de volta à vida” depois que os cientistas britânicos recriaram sua voz

ANÚNCIO

ANÚNCIO

O padre egípcio, conhecido como Nesyamun, não fala há mais de 3.000 anos.

Agora, o som produzido por seu trato vocal foi sintetizado usando tomografias computadorizadas, impressão 3D – e uma laringe eletrônica.

A gravação de áudio dura apenas um segundo – mas dá aos ouvintes uma ideia de seus sons profundos e poderosos enquanto ele cantava músicas para os fiéis.

O co-correspondente autor David Howard, engenheiro biomédico da Universidade de Londres, disse: “O processo só é viável quando o tecido mole relevante estiver razoavelmente intacto – como no caso do corpo mumificado de 3.000 anos de idade do padre egípcio Nesyamun. ”

Seus restos mortais estão em um caixão bonito e ornamentado que hoje está em exibição no Leeds City Museum.

O caixão e seu ocupante cativam os visitantes da cidade há quase 200 anos – e é uma das exposições mais famosas do museu.

Múmia egípcia antiga foi "trazida de volta à vida" depois que os cientistas britânicos recriaram sua voz

Howard disse: “Ele viveu durante o reinado politicamente volátil do faraó Ramsés XI  há mais de 3.000 anos, trabalhando como escriba e sacerdote no templo estadual de Karnak, em Tebas, na moderna Luxor. Sua voz era uma parte essencial de seus deveres rituais, que envolvia elementos falados e cantados “.

A frequência fundamental, volume e taxa de vibração e profundidade podem ser controladas individualmente.

Howard disse: “É de vital importância perceptiva na recriação de um som vocal natural a aplicação de alguma forma de variação de frequência fundamental.

“Os deveres de Nesyamun incluíam falar e cantar ou cantar a liturgia diária; portanto, o órgão do trato vocal foi usado para fornecer uma entonação decrescente na faixa de frequência fundamental da fala masculina”.

Múmia egípcia antiga foi "trazida de volta à vida" depois que os cientistas britânicos recriaram sua voz

Sua equipe usou uma técnica não destrutiva de tomografia computadorizada para analisar a estrutura da laringe ou caixa de voz e garganta sem danificá-las.

Eles viram uma parte significativa permanecendo intacta como resultado do processo de mumificação – permitindo medir o formato do trato vocal a partir das imagens.

O trato vocal humano é basicamente um tubo com dois retalhos logo acima dos pulmões que podem ir mais rápido ou mais devagar, produzindo tons mais altos ou mais baixos, respectivamente.

Como os músculos do diafragma bombeiam o ar, ele funciona como um saxofone, onde a palheta vibra no topo.

Com base nas medidas, os pesquisadores criaram uma réplica impressa em 3D do trato vocal de Nesyamun – e a combinaram com uma laringe artificial comumente usada na síntese da fala.

Múmia egípcia antiga foi "trazida de volta à vida" depois que os cientistas britânicos recriaram sua voz

Isso lhes permitiu reproduzir um único som – caindo em algum lugar entre as vogais nas palavras em inglês ‘bed’ e ‘bad’, por exemplo.

No Egito antigo, era uma crença fundamental que “falar o nome dos mortos é fazê-los viver novamente”, disse Howard.

Isso era vital para os parentes vivos e para os próprios falecidos “quando apareciam diante dos deuses do julgamento”.

Howard disse: “Dado o desejo declarado de Nesyamun de ter sua voz ouvida na vida após a morte para viver para sempre, o cumprimento de suas crenças através da síntese de sua função vocal nos permite fazer contato direto com o antigo Egito ouvindo um som de um trato vocal que não é ouvido há mais de 3.000 anos, preservado pela mumificação e agora restaurado por essa nova técnica “.

Estudos anteriores sobre Nesyamun descobriram que ele tinha mais de 50 anos quando morreu. Ele tinha doença gengival e dentes muito desgastados.

Howard disse: “Somente aqueles que foram capazes de confirmar verbalmente que levaram uma vida virtuosa receberam a entrada na eternidade – como aplicado ao próprio Nesyamun ao longo de suas inscrições no caixão.

“Nestes textos, Nesyamun pede que sua alma receba sustento eterno, seja capaz de se movimentar livremente e de ver e se dirigir aos deuses como ele teve em sua vida profissional.”

Seu desejo documentado de poder falar após sua morte – combinado com o excelente estado de seu corpo mumificado – fez de Nesyamun o assunto ideal para o projeto ‘Vozes do passado’.

Há pouco mais de três anos, seu corpo mumificado foi transferido para a enfermaria geral de Leeds, nas proximidades.

Ele foi retirado do caixão e transferido para o sofá de um scanner – onde foi colocado primeiro na cabeça.

A recriação de um aparelho vocal preservada por três milênios tem implicações na maneira como o passado é apresentado ao público no presente.

Pode oferecer uma oportunidade de ouvir a saída do trato vocal de um indivíduo que viveu nos tempos antigos.

O reinado do rei Ramsés XI foi marcado por guerras civis envolvendo o sumo sacerdote de Amon e o vice-rei de Nubia – uma região ao longo do Nilo de onde Nesyamun veio.

Múmia egípcia antiga foi "trazida de volta à vida" depois que os cientistas britânicos recriaram sua voz

Howard disse: “Como uma rara testemunha de um período cataclísmico na história antiga do Egito, Nesyamun também tem um lugar de destaque na história da egiptologia.

“Essa colaboração interdisciplinar inovadora produziu a oportunidade única de ouvir a saída do trato vocal de alguém que morreu há muito tempo em virtude da preservação de tecidos moles e dos novos desenvolvimentos em tecnologia, digitalização digital e impressão em 3D”.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Mirror