Monte a sua matéria: Dragon Ball Z – A ressurreição de Freeza #178

Pois é, e lembrando mais uma vez, que todos os temas são aceitos. Ou melhor, política, esporte, religião, enfim! Sinta-se à vontade ok? O e-mail de contato, claro: equipe@minilua.com! A todos, uma excelente leitura!




Dragon Ball Z - A Ressurreição de Freeza




Por: Yago Lemos

Com certeza, um filme muito aguardado por todos os fãs do anime Dragon Ball, vou fazer aqui uma review dele baseada é claro na minha opinião, ok?

Eu como fã, devo dizer que este filme supera a Batalha dos Deuses, mas também não é excelente e com certeza não superou nossas expectativas, com os trailers eu já tinha certeza de que o filme seria assim, afinal, Dragon Ball é Dragon Ball e sempre tem seus clichês de saga.

O filme começa com uma breve demonstração do inferno em que Frieza sofre, depois disso somos apresentados aos soldados de Frieza que tem como plano reviver seu imperador, por sinal, eles tem a ajuda de Pilaf e seus capangas, como no último filme da saga.

Eles tentam ir até Namekusei para realizar seu desejo, sem sucesso, eles vão a Terra, apenas os soldados Sorbet e Tagoma acompanhados de Pilaf e seus comparsas reúnem as sete esferas do dragão, nisso, Piccolo e Gohan sentem um “Ki” gigantesco, mas não fazem nada, eles pedem que Frieza volte à vida, porém, ele volta em pedaços, como Trunks o deixou, eles levam os pedaços até o espaço e lá conseguem reviver Frieza com sua tecnologia.

Frieza renasce então ao som de uma Trilha arrepiante, questiona o fato de seus soldados terem demorado para revive-lo e acaba se irritando com o fato de Tagoma falar de mais e se interferir nos seus planos de vingança contra Trunks e Goku, assim, Frieza provoca terror na nave, seus soldados vão para o chão e ele declara que está decepcionado com o poder de seu exército.

Frieza vai treinar por quatro meses para derrotar Goku, mesmo sabendo que ele já tinha derrotado Majin, afinal Frieza nunca teria treinado em sua vida e já tinha um poder monstruoso, imagina se treinasse?

Na Terra, Jaco chega à procura de Bulma para informá-la sobre o Frieza. Bulma tenta chamar Whis com um sundae de morango, mas sem sucesso. Somos apresentados ao novo emprego de Kuririn, e podemos escutar um Easter Egg, o toque de celular de Bulma, é a primeira abertura do anime One Piece.

Finalmente somos apresentados a Goku e Vegeta, treinando com Whis que agora é seu “mestre”. Frieza chega à Terra finalmente, e Gohan, Tenshinhan, Kuririn, Jaco, Piccolo e até o Mestre Kame lutam contra seus soldados, o que é intrigante, por que não temos Goten e Trunks no filme?

Assim como não temos Yamcha e Chaos. (Eu acho que eles deveriam ter aproveitado mais estes personagens, mas, continuando…).

O final é sempre a mesma coisa, temos a luta final e Goku ganha no final, só que não, dessa vez quem ganha é o Frieza destruindo toda a Terra e fazendo Whis voltar um pouco no tempo para concertar a desgraça feita, e assim, o filme acaba.

Não me leve a mal, o filme não é ruim, mas também, tem pouca emoção e um humor não muito bom. Eu simplesmente acho que esses dois novos filmes de Dragon Ball Z estragaram um pouco os personagens, por exemplo, o Vegeta na “Batalha dos Deuses” ficou a maior parte do tempo com medo de Bills, e nesse novo filme teve pouca explicação sobre a nova transformação como no outro, deixando a coisa mais sem emoção, afinal eles se transformam do nada e ninguém fica espantado com isso, as transformações são bizarras, claro!

A nota final que eu dou para este filme é 6,0 melhor que Dbz Bog, mas nem se compara ao anime e ficou muito previsível. Eu não estou botando fé no Dragon Ball Super que estreia em Julho, acho que vai continuar bem mediano, veremos…

Receba mais em seu e-mail
Topo