Início Bizarro

Monges às vezes usava taças de caveira em rituais de vinho do sangue

Monges às vezes usava taças de caveira em rituais de vinho do sangue.

Dos confins do Tibete, essa tigela tradicional de caveira – conhecida como kapala – era usada para fazer oferendas às divindades das montanhas.

Um implemento ritual de monges hindus e budistas praticantes de tantra, os crânios não eram os crânios de monges que estavam vivos, mas sim os restos de seus ancestrais varridos de locais de enterro no céu.

O enterro no céu é um antigo costume tibetano que envolvia deixar o corpo do falecido estragado, em vez de fornecer algum tipo de enterro ou cremação.

Quando os exploradores ocidentais exploraram a região pela primeira vez nos séculos 18 e 19, ficaram horrorizados ao ver ossos cortados, esqueletos inteiros e cadáveres apodrecendo com membros ausentes ou separados no que eles descreveram como vales da morte.

No entanto, os tibetanos nativos encontraram grande importância no ciclo da alma através do enterro no céu e escolheram fazer muitos apetrechos religiosos a partir dos ossos.

Os Kapalas foram decorados com prata e pedras semipreciosas. Esculturas ao redor do crânio podem ser específicas para certos mantras ou mais genéricos, dependendo do uso pretendido.

Os mosteiros costumavam assar pão na forma de orelhas ou línguas para os crânios e colocá-los dentro. Colocados em um pedestal sagrado, os crânios eram simplesmente vasos para fazer oferendas aos deuses. Para divindades mais iradas, o pão muitas vezes não era suficiente. Para uma divindade como Dharmapala, eles ofereceriam vinhos de sangue.

Os monges acreditavam que, ao fazer essas ofertas em torno de outros símbolos sagrados, eles poderiam alcançar níveis mais altos de insight e foco enquanto recitavam mantras e meditavam.

Muitas divindades são retratadas em várias obras religiosas com kapalas, algumas bebendo sangue. Esse simbolismo parece mórbido para muitas culturas ocidentais, levando ao medo e à superstição se propagando sobre os mosteiros tibetanos. Na cultura, no entanto, isso está mais intimamente relacionado aos ciclos da vida e da morte e ao seu lugar natural no universo.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys