Menino chorou no primeiro dia de aula e seu amigo o confortou

ANÚNCIO

ANÚNCIO

O primeiro dia de aula é muito difícil para todas as crianças, mas mais ainda para quem tem um problema físico, idioma ou que sofre de uma doença.

Connor Crites é uma criança que, apesar de ter autismo, passou para a segunda série no Minneha Core Knowledge Elementary, na cidade de Whicita, Kansas. Era seu primeiro dia de aula, e ele estava na entrada da escola. Devido ao alvoroço e ao barulho excessivo, ele começou a sentir ansiedade e começou a chorar em um canto.

Menino chorou no primeiro dia de aula e seu amigo o confortou

Ao vê-lo chorando, Christian Moore, um de seus colegas, se aproximou de Connor para tranquilizá-lo. Ele o pegou pela mão para confortá-lo e juntos eles entraram na escola. Este gesto simples, mas muito nobre, foi capturado em fotografia por Courtney Coko Moore, mãe de Christian, e publicado nas mídias sociais. A descrição dizia:

“Tenho muito orgulho do meu filho, ele viu uma criança chorando em um canto e se aproximou para tranquilizá-lo, pegou sua mão e caminhou com ele para entrar na escola. É uma honra criar um filho tão amoroso e cheio de compaixão. Ele é uma criança com um grande coração.”

A imagem tornou-se viral, e os usuários das mídias sociais escreveram milhares de comentários de parabéns e respeito pelo pequeno menino. A publicação chegou a April Crites, mãe de Connor, e ela também agradeceu ao Moore por ajudar seu filho com autismo:

Menino chorou no primeiro dia de aula e seu amigo o confortou

“Eu me preocupo todos os dias que outras crianças ‘impliquem’ com meu filho por ser diferente, e seu filho me confortou. Se houvesse mais meninos como ele, eu não me preocuparia com essas coisas.”

Agora, esta dupla de crianças que amam os blocos de construção da Lego e o jogo de videogame Minecfrat se tornaram companheiros inseparáveis ​​durante o intervalo. Este foi o começo de uma amizade sincera, que esperamos que dure muitos anos.

Menino chorou no primeiro dia de aula e seu amigo o confortou

Crianças assim nos devolvem a fé na humanidade e, de passagem, nos fazem derramar algumas lágrimas. Muito respeito por esse menino protetor.