As Melhores Babás do Cinema

Mary Poppins está de volta aos cinemas com seu métodos educacionais mágicos. A britânica é sem dúvida a babá mais icônica do cinema, mas ela não é a única boa cuidadora de crianças que podemos encontrar na sétima arte. Confira abaixo uma lista com as melhores profissionais do ramo já mostrada pelo cinema, cheque suas referências e escolha sua favorita!

Mary Poppins
Julie Andrews / Emily Blunt
(Mary Poppins – 1964 / O Retorno de Mary Poppins – Mary Poppins Returns – 2018)


Ela é ao mesmo tempo a mais antiga e mais recente de nossa lista, pois nada é simples no universo mágico da babá britânica. Mary nasceu nos livros de P. L. Travers, lançados entre 1934 e 1988, e chegou aos cinemas pela primeira vez nos anos 60 após duas décadas de negociação entre Walt Disney e a autora. E embora tenha se tornado um sucesso, a produção foi conturbada e desagradou a autora. O filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks – 2013), traz uma versão romanceada da produção, estrelada por Tom Hanks e Emma Thompson.

As Melhores Babás do Cinema
As Melhores Babás do Cinema

Nos cinemas, Mary chega quando é necessária, com datas curiosas para ir embora previamente estipuladas, como “quando o vento mudar” ou “quando a porta abrir”. Ela nunca traz referências e nem explica nada. Sim, ela soa meio arrogante e atrevida, mas o trabalho justifica essa fachada atípica. Seus métodos educacionais incluem atos inimagináveis como entrar em ilustrações, organização de quartos em um estalar de dedos, mergulho em banheiras, chás flutuantes e muita música. Seus serviços não atendem apenas as crianças. De fato, são os pais quem tem o maior aprendizado.
Os dois filmes da Disney estrelados por ela pertencem ao mesmo universo, mas tem intérpretes distintas. Enquanto Julie Andrews imortalizou sua figura altiva. Emily Blunt a atualizou, tornando a moça ainda mais atrevida. As duas versões são ao mesmo tempo diferentes e parecidas.


Maria
Julie Andrews
(A Noviça Rebelde – The Sound of Music – 1965)


Maria é uma noviça de espírito livre, vive fugindo do convento para cantar à plenos pulmões em belas colinas, dando trabalho para suas superioras. Quando o Capitão Georg von Trapp precisa de ajuda para cuidar de seus sete filhos, as freiras não hesitam em enviar a animada noviça. Aos poucos a moça conquista as rebeldes crianças, traz vida de volta à mansão e se apaixona pelo chefe da família. Tudo isso, claro, com muito canto e dança.

As Melhores Babás do Cinema

A família Von Trapp existiu de verdade, e em 1949, Maria lançou o livro The Story of the Trapp Family Singers para ajudar a promover a família de cantores. A jornada da noviça desde o convento até a saída da Austria, fugindo do Nazismo é real. Antes da versão que conhecemos o livro ganho uma versão e sequencias produzidos na Alemanha ocidental e uma versão americana para os palcos. Mas foi a versão estrelada por Andres – sim, ela novamente! – é a que imortalizou a história da família para o mundo com suas icônicas canções.


Sra. Doubtfire
Robin Williams
(Uma Babá Quase Perfeita – Mrs. Doubtfire 1993)


Sra. Euphegenia Doubtfire é uma senhorinha adorável, meio desajeitada e atrapalhada, com sotaque engraçado e hábitos peculiares. Secretamente, ela também é Daniel Hillard um pai meio crianção, que após o divórcio se recusa a ficar longe de seus três filhos. O ator se disfarça e se candidata à vaga de babá das crianças. Humor de situação, e problemas com sua dupla identidade, permeiam a jornada de amadurecimento reconciliação. A Sra. Doubtfire pode não ser a mais eficiente das candidatas, mas é uma das mais divertidas.

As Melhores Babás do Cinema

Robin Williams passava mais de quatro horas na maquiagem para se tornar a personagem criada por Anne Fine. Seu livro Alias Madame Doubtfire foi lançado pela primeira vez em 1987.

As Melhores Babás do Cinema

Corina Washington
Whoopi Goldberg
(Corina, uma Babá Perfeita – Corrina, Corrina – 1994)


Corina na verdade quer escrever críticas de músicas como profissão, mas já que é uma mulher negra nos estados unidos no final da década de 1950, não consegue encontrar trabalho. É assim que ela vai parar na casa dos Singer, uma família que acaba de perder a mãe. O primeiro desafio é criar um vínculo com Molly, que deixou de falar com a perda. Ela faz isso com métodos criativos, que parecem até mágico quando se tem apenas sete anos.
Outro desafio que esta babá enfrenta, é o preconceito que fica ainda mais evidente quando começa a desenvolver um relacionamento com Manny, pai da menina. Ela é provavelmente a profissional menos disponível desta lista. Ela quer fazer críticas lembra? Mas vale uma olhada apenas pela mensagem discurso importante e pelo carisma de Whoopi.

Clique em “Próximo” para ler o restante do conteúdo da postagem.