Médica brasileira faz ensaio fotográfico com vestidos feitos de plástico retirados do oceano

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Karina Oliani, também conhecida como médica de aventura, já escalou o Everest duas vezes e é a primeira médica do Brasil especializada em Medicina do Deserto, uma especialidade que lhe serve bem enquanto viaja pelo mundo como atleta, exploradora e ativista.

Apesar de mergulhar desde os 12 anos, as águas do porto de São Vicente no Brasil a deixaram nervosa.

“Eu nunca tive que mergulhar em um lugar tão sujo. Fiquei nervosa por pular na água fedida.”

Durante seu mergulho, Oliani coletou mais de 15 kg de plástico que espalhava o fundo do mar. Profundamente entristecida pela poluição que o oceano enfrenta perto de sua casa e em todo o mundo, ela entregou o lixo a um designer de sua cidade de São Paulo chamado Arthur Caliman.

Ele enfrentou um desafio esmagador de transformar essa variedade nojenta de materiais em algo bonito para Oliani – eventualmente produzindo um conjunto de vestidos.

Oliani espera que sua série de fotos aumente a conscientização sobre a epidemia mundial de plásticos em nossos oceanos. Estima-se que 70% do plástico usado pelas pessoas acabe em nossos oceanos, levando à poluição que afeta aves, mamíferos marinhos, peixes e até humanos.

Médica brasileira faz ensaio fotográfico com vestidos feitos de plástico retirados do oceano

Embora a proliferação de polímeros à base de petróleo após a Segunda Guerra Mundial tenha iniciado a revolução do consumidor com a capacidade de criar peças e produtos baratos, resistentes e facilmente moldáveis, a indústria privada, os governos públicos e a inovação técnica não encontraram um caminho acompanhar os resíduos criados pelo uso de plásticos.

Levando até 500 anos para quebrar, e geralmente usado por um período muito curto – normalmente os sacos de plástico são usados ​​por menos de 15 minutos – o plástico contaminou a maior parte do mundo.

Mesmo quando o plástico se decompõe em pedaços menores, os chamados microplásticos se tornam mais fáceis de entrar nas cadeias alimentares dos ecossistemas. Estima-se que nove milhões de toneladas de plástico entrem nos oceanos em todo o mundo a cada ano. Nesse ritmo, o plástico ultrapassará os peixes em peso no mundo até 2050.

ocean plastic dress

Tirar as fotos exigia foco extremo e atletismo. Oliani teve que prender a respiração por minutos a fio enquanto posava para seu fotógrafo subaquático, Kadu Pinheiro, e mantendo o rosto “agradável e confortável” ao fazê-lo. Enquanto no fundo do mar, no entanto, Oliani encontrou sua mente à deriva na situação da vida marinha ao seu redor.

“Eu não conseguia pensar em outra coisa senão: precisamos parar com isso e salvar todo o ambiente enquanto podemos”.

ocean plastic dress

Embora o desafio de lidar com a poluição por plásticos seja assustador, ela tem alguns conselhos para as pessoas que desejam mudar seus hábitos: ela pede que as pessoas considerem a possibilidade de rejeitar plásticos de uso único, advogar por vias aquáticas e oceanos limpos e pressionar pela responsabilidade dos fabricantes de plásticos.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys