Minilua

Os maiores mistérios da humanidade #22

Semana passada falamos sobre um erro científico muito interessante encontrado na Bíblia: a longevidade absurda de alguns personagens. Hoje falaremos sobre outros fenômenos estranhos descrito no livro sagrado, e que a ciência contesta:

Mistério da Bíblia – Erros científicos – Pt.3:

Humanos extraordinários

Em vários textos bíblicos existem descrições de seres humanos extraordinários, que vão desde homens que passam muito tempo sem se alimentar até alguns que ressuscitam. Esses contos, sobre o ponto de vista cientifico, são inverdades, pois alguns dos acontecimentos descritos são extremamente improváveis de terem realmente ocorrido ou mesmo impossíveis.

Por isso vamos mostrar o outro lado dessas histórias, usando a lógica no lugar da fé:

(Mateus 27: 52 – 53)

Definição exata da morte ainda é algo bastante polêmico, às vezes uma pessoas que aparentemente está morta pode estar viva, enganando até mesmo os mais sofisticados exames. Contudo, depois de certo tempo da parada cardiovascular e respiratória, torna-se praticamente impossível uma pessoa sobreviver ou voltar à vida.

Mesmo assim, com essa falta de definição de morte, pode- se afirmar que após um corpo morrer biologicamente, não é possível voltar à vida. Não existe nenhum registro que confirme a possibilidade de ressureição. Por isso os relatos bíblicos devem estar incorretos, a menos que esses “muitos santos” citados no trecho acima, não estivessem mortos e sim em coma ou algo do gênero, mas mesmo assim seria extremamente improvável que todos voltassem à consciência no mesmo momento.

(Exodo 34: 28)

É impossível uma pessoa sobreviver 40 dias sem beber água, ela pode até ficar sem comer nada, porém a falta de líquidos a mataria em menos de uma semana. O corpo humano não aguenta muito tempo sem água, pois ela é essencial em tudo, compondo dois terços de nosso corpo. Dessa forma seria impossível que a pessoa que escreveu nas tabuas os dez mandamentos tenha sobrevivido a quarenta dias de trabalho sem nenhum alimento.

Muito provavelmente a descrição de quarentas dias e noites sem comer ou beber tenha sido metafórica, querendo expressar o quando o trabalho foi duro e longo. Caso contrário a pessoa teria falecido antes de terminar o serviço.

(Juízes 16: 17 – 19)

Todo mundo sabe que não existe nenhuma ligação entre a força muscular e o cabelo humano, sendo assim essa história de que Sansão ficaria fraco caso seu cabelo fosse raspado é apenas um mito ou alguma metáfora utilizada para embelezar o conto.