Boas notícias: o lobo mexicano deixa a lista de espécies extintas; embora ainda esteja em perigo

ANÚNCIO

ANÚNCIO

O fato de uma espécie desaparecer do planeta é lamentável, principalmente quando o ser humano é responsável, seja pela caça, poluição ou destruição de seu habitat.

Quando temos notícias de que algum animal foi salvo e continuará a nos acompanhar por mais um tempo, é uma razão para nos encher de alegria, então nos juntamos à celebração do lobo mexicano, que deixou a categoria “provavelmente extinta na vida selvagem” para “em perigo de extinção”.

Boas notícias: o lobo mexicano deixa a lista de espécies extintas; embora ainda esteja em perigo

O lobo mexicano (Canis lupus baileyi) é uma das subespécies de lobo cinza encontradas na América do Norte e, das existentes, é a menor, com uma altura máxima de 80 cm. E um peso que varia de 27 a 45 quilos.

É mais parecido com um cão de tamanho médio e, curiosamente geralmente nasce à noite, após um período de gestação de 65 dias, em média, e é completamente cego e surdo. Durante as duas primeiras semanas de vida, permanecem na toca, sob os cuidados da mãe e com o pai a poucos metros da entrada para cuidar da família.

Aproximadamente aos 15 dias, eles abrem os olhos e podem andar, embora o façam apenas dentro da toca. Com 4 semanas, eles já estão com os dentes completos, então começam a experimentar pequenos pedaços de carne.

Boas notícias: o lobo mexicano deixa a lista de espécies extintas; embora ainda esteja em perigo

Seu habitat era do deserto de Sonora, Chihuahua e algumas áreas do México Central, além do oeste do Texas, sul do Novo México e Arizona central, mas desde 1970 desapareceu nos Estados Unidos, então Roy T. McBride viajou para o México para tentar salvar as espécies.

Em 1995, eles já tinham 100 lobos em cativeiro, que geralmente eram levados aos Estados Unidos para procurar reprodução, embora no México também tenha havido um enorme esforço para reinseri-los na vida selvagem. Em 2011, a primeira libertação foi dada em Sonora, embora pouco a pouco os lobos se movessem em direção a Chihuahua, então as seguintes liberações foram feitas nesse estado.

A Reserva da Biosfera de Janos e as Áreas de Proteção de Flora e Fauna de Campo Verde, Tutuaca e Papigochic tornaram-se os principais santuários para o ressurgimento do lobo mexicano.

Boas notícias: o lobo mexicano deixa a lista de espécies extintas; embora ainda esteja em perigo

Em 2013, foi lançado o primeiro casal com possibilidade de reprodução na vida selvagem, e felizmente foi bem-sucedido, pois na primavera de 2014 nasceu a primeira ninhada, após 30 anos que isso não aconteceia fora do cativeiro.

O trabalho entre os dois países foi fundamental, especialmente para o projeto da reserva, que tem meio milhão de hectares, variando de arbustos e pastagens, a áreas de alta montanha, para que o lobo possa se desenvolver adequadamente e, assim, alcançar esse lobo.