As lendárias frases do Professor Girafales

Pois é, e antes de tudo, sim! Ele é conhecido por uma série de frases inesquecíveis. Mais do que isso, por uma série de apelidos também, veja só:




Girafales: Um personagem marcante

É, e pensando bem, quem mais reuniria tantos apelidos assim? Estão lembrados: Trilho em pé, Professor Linguiça, quilômetro parado…Com vocês, algumas das frases mais memoráveis. Não obstante, algumas das mais cultuadas, veja só:

” Sou Linguiça de sobrenome mestre, digo, sou Professor e meu nome é Girafales.”

“A criança que amanhã será homem, a semente que amanhã será fruto, ao casulo que amanhã será mariposa.”

“Saiba que tudo que se vende pelas ruas faz mal. Por exemplo : churrasquinho, os refrescos, sanduíches daqueles que vem com maionese, com tomate, cachorro quente, empadas, os pastéis, coxinhas, risoles, etc, etc…”

” Por quê os animais não comem com o rabo ? Por que não podem tirar o rabo para comer.”

“Bem, esta representação teatral foi montada e dirigida pelo Seu Madruga, mas, por favor, não caçoem dele. Talvez a vocês o trabalho dele pareça tolo, inútil, comum, vulgar. Sim, concordo. Mas é que devem levar em conta que se trata de um indivíduo sem nenhum preparo. De um pobre diabo que nem sequer concluiu o primário. De um pobre infeliz que mal aprendeu a ler e a escrever. De um reles… deixe me continuar, Seu Madruga, de um João Ninguém…”

“Acapulco me espera, Acapulco me espera…”

” Enquanto tiverem os livros nas mãos, serão pessoas honradas, serão gente de bem, em outras palavras, serão como eu.”

“Gooooooooooooooooooooool de Peléeeeeeeeeeeeeeeeeee ! Ele rebateu de cabeça, quando não havia esperança.”

“Eu já tive alunos bons, regulares, ruins, péssimos e o Quico. Mas não se preocupe, é provável que haja piores.”

“Sou Linguiça de sobrenome mestre, digo, sou Professor e meu nome é Girafales.”

“Dona Florinda não está acostumada a ser paquerada pelos velhos gordos.”

“Eu sou inimigo fidagal da violência, mas se ver o Chaves com a luva de boxe, eu, Professor Girafales, vou quebrar tudo que se chama cara.”

“Por quê causa, motivo, razão ou circunstância?”

“Quico, quando é que vai entrar no compasso?”

“Como ousa ofender essa digníssima dama?”

“Quero ver, outra vez, seus olhinhos de noite serena.”

“E então, já fizeram calistenia?”

“Upa, upa, upa, cavalinho alazão, lalalá…”

Receba mais em seu e-mail
Topo