Início Celebridades

Lady Gaga ‘odiava’ ser uma estrela pop famosa e tinha ‘pensamentos suicidas’ todos os dias

Lady Gaga falou sobre suas lutas com a saúde mental e a batalha contra a depressão, pois ela achava difícil ser famosa.

A estrela pop de 34 anos falou sobre como ela está em uma jornada para se reencontrar depois que ela descobriu que seu alter ego a estava levando para longe de seu antigo eu como Stefani Germanotta.

Falando em uma entrevista emocionante com Lee Cowan na CBS Sunday Morning, ela disse: “Meu maior inimigo é ‘Lady Gaga’, é isso que eu estava pensando. Meu maior inimigo é ela.”

“Tudo sobre você”

“Você não pode ir ao supermercado agora. Se você vai jantar com sua família, alguém vem à mesa, você não pode jantar com sua família sem que isso seja sobre você, é sempre sobre você. O tempo todo é sobre você.”

Gaga estava promovendo seu novo álbum, Chromatica, e disse que as canções ofereciam uma visão sobre o lado mais sombrio de sua vida, incluindo seus problemas de saúde mental.

Ela continuou: “Não há uma única música nesse álbum que não seja verdade, nenhuma.”

Citando a letra “pop a 911“, ela disse que é uma “referência ao medicamento que eu tinha que tomar quando costumava entrar em pânico porque sou ‘Lady Gaga’.”

Quando questionada sobre o que era “tão escuro” naquela época, ela disse que “desistiu totalmente de si mesma”.

Foto: (reprodução/internet)

Gaga continuou: “Eu odiava ser famosa, odiava ser uma estrela, me sentia exausta e esgotada.”

“Nem sempre é fácil se você tem problemas mentais para deixar outras pessoas verem. Eu costumava mostrar, eu costumava me machucar, eu dizia, ‘Olha eu me corto, vejo que estou sofrendo.’ Porque eu não pensei que alguém pudesse ver porque a saúde mental é invisível.”

Gaga também disse que teria pensamentos suicidas “todos os dias”.

Ela acrescentou: “Eu realmente não entendia por que deveria viver além de estar lá para minha família.”

“Esse foi um pensamento e um sentimento real, por que eu deveria ficar por aqui?”

“Eu morei nesta casa enquanto as pessoas me observavam por alguns anos para se certificar de que eu estava seguro.”

Veja também: Lady Gaga arrecada mais de 35 milhões de dólares para o fundo de Coronavírus da OMS

Tratada como objeto

Gaga mandou que ser tratada como um objeto dificultava e que a “gentrificação” era o gatilho para sua infelicidade.

Ela continuou: “Se eu estou no supermercado e alguém chega muito perto de mim e coloca um celular bem na minha cara e começa a tirar fotos, só pânico total, dor no corpo inteiro. Estou preparada porque estou tanto medo.”

“É como se eu fosse um objeto, não uma pessoa.”

Foto: (reprodução/internet)

Gaga disse que nasceu para fazer música e apesar de tudo que ela passou, ela tinha que seguir em frente.

Ela concluiu: “Juro pelos meus futuros filhos que ainda não nasceram, não sei por que, mas tenho que fazer.”

O lançamento de seu novo álbum foi um grande avanço para Gaga e ela disse que a ajudou a encontrar “uma maneira de se amar novamente”.

Ela disse: “Eu não odeio mais Lady Gaga. Agora eu olho para este piano e penso, ‘Ugh, meu Deus, meu piano, meu piano que eu amo tanto.”

“Meu piano, que me permite falar, meu piano que me permite fazer poesia. Meu piano é meu.”

Traduzido e adaptado por equipe Minilua

Fonte: Mirror