Início Bizarro

La Llorona está chamando seu nome, mas, não tenha medo

LA LLORONA

Você pode ouvir os gemidos de uma mulher ecoando enquanto caminha pela floresta. Sem saber como escapar dos gritos agudos, você se vê encarando uma manifestação encantadora.

Lá está ela, com cabelos pretos perfeitamente lisos, em um vestido de malha branca e um véu de renda esfarrapado, assustadoramente atraindo você com seu olhar.

De repente, sem hesitação, você está correndo pela sua vida enquanto ela flutua em sua direção, porque ela quer arrastá-lo para o inferno com ela.

Você deveria ter ouvido sua mãe quando ela disse que ficar fora da hora de dormir lhe daria alguns problemas. Você nunca quer ser confrontado por La Llorona (a mulher que chora).

Sim, todos nós somos atormentados pelas histórias familiares do bicho-papão que encontra seu caminho para pegá-lo porque você já passou do toque de recolher.

Essas histórias abriram o caminho para a disciplina e alguns filmes de terror. No entanto, não há nada mais assustador do que saber a única coisa que você não deve temer: sua mãe.

“Mamãe querida” alguém? Achamos que La Llorona pode ser mais assustador…

A HISTÓRIA

Acredite ou não, existem muitas variações de La Llorona. A história de fantasmas de 500 anos começa tipicamente com as mulheres mais bonitas do mundo ou do México – de onde a história se origina.

Também conhecida como Maria, essa feiticeira adora exibir seus bens e usar seu charme para obter o que deseja. Não é de admirar que ela tenha conseguido o solteirão mais rico e elegível da cidade.

Depois de dar à luz dois meninos, o marido de Maria ficou entediado com ela. Ele a deixava meses de cada vez, e nunca escondia o fato de que estava optando por viver sua vida como mulherengo.

Com o tempo, Maria se cansou dos jogos dele e culpou seus dois filhos pelo fim de seu casamento.

Uma noite, Maria deu um passeio pelo rio com seus filhos. De repente, o marido apareceu com uma mulher mais jovem em sua carruagem. Ele ficou chateado ao descobrir que Maria havia levado os meninos para um lugar tão inseguro.

Com convicção, o marido de Maria exigiu que os meninos subissem na carruagem e deixassem este lugar imediatamente. Foi então que Maria notou que o marido a estava deixando oficialmente e levando as crianças também. Ela ficou furiosa ao perceber que seus dois filhos tinham o amor que ela ansiava.

A raiva tomou conta e ela agarrou os meninos e os jogou no rio. Percebendo o que havia feito, Maria correu ao longo do riacho na esperança de poder resgatar seus meninos. Era tarde demais.

Segundo a lenda, Maria percorreu as margens do rio por meses. Com o tempo, seu vestido branco começou a sujar e a deteriorar-se, ganhando-lhe o horrível olhar de assinatura. Maria também se recusou a comer e passou o resto de seus dias chorando. Daí o nome dela, La Llorona, “A Mulher que Chora”.

FENÔMENOS DA CULTURA POP

Há rumores de que você pode ouvir seu espírito inquieto chorando e ainda lamentando a perda de seus filhos nas margens do rio Santa Fé.

Outros afirmam ver seu espírito em um riacho entre Mora e Guadalupita, Novo México.

Sem dúvida, essa história se tornou uma lenda em toda a cultura hispânica. É usado principalmente para alertar as crianças a não ficarem até tarde ou se afastarem.

La Llorona foi interpretada em alguns filmes e até em casas mal-assombradas durante as noites de terror de Halloween.

Dizem que você pode ouvir La Llorona gritando por seus filhos perto da famosa ilha “La Isla de Las Muñecas”. Os habitantes locais insistem que Maria matou a jovem que foi encontrada flutuando ao longo do rio por Don Julian Santana, que criou o santuário de bonecas para a criança.

MITOLOGIA GREGA

Parece que o folclore de La Llorona pode ser inspirado na mitologia grega antiga. Lembra do caso de Zeus com Lamia? Dizia-se que quando Hera os descobriu, ela forçou Lamia a comer seus filhos, condenando a semideusa a devorar qualquer criança que pudesse encontrar.

TESTEMUNHOS

“Aos sete anos, eu estava frequentando a nova escola Pajarito, no vale sul de Albuquerque, Novo México. Eu adorava frequentar a escola Pajarito, especialmente quando era hora de brincar no pátio da escola.

Ao redor do playground havia uma cerca alta para impedir que as crianças se afastassem. Atrás da cerca havia uma vala de irrigação que alimentava um campo de alfafa do outro lado da vala.

Nas terras altas e áridas ao redor de Albuquerque, parecia que havia valas por toda parte, regando os campos além da cidade.

Logo, conhecemos um menino que ainda não tinha idade suficiente para frequentar a escola. Ele costumava vir brincar na cerca e observar as crianças mais velhas brincando no pátio da escola.

Mas, um dia, nossa peça foi interrompida por uma grande comoção perto da cerca do pátio da escola. Enquanto corríamos em direção à cerca, logo descobrimos que o menino havia caído na vala de irrigação. Embora um de nossos professores tenha tirado o garoto da lama

e começou os esforços de ressuscitação, era tarde demais. Foi a primeira vez que experimentei a perda de um amigo.

No dia seguinte, na escola, uma das crianças me disse que La Llorona havia pegado o garoto. Eu só podia ficar ali sem fala, nunca tendo ouvido falar de La Llorona.

Eles explicaram que ela era a “senhora da vala” que passeava pelas valas, procurando crianças pequenas para “roubar”, porque seus filhos haviam se afogado em um terrível acidente. Isso me assustou porque do lado de fora da porta dos fundos havia duas dessas trincheiras enlameadas.

Em dias nublados, poderíamos imaginá-la ascendendo do céu para ocupar seu lugar ao longo das valas de irrigação.”

Você viu La Llorona? Deixe-nos saber nos comentários abaixo. Estamos morrendo de vontade de saber!

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys