Início Curiosidades

La Dama del Silencio assassina em série mais perigosa do méxico

No que diz respeito à maioria dos assassinos, eles geralmente põem uma máscara para quando cometem crimes, não para o trabalho diário.

Nada sobre a máscara de borboleta rosa da lutadora profissional mexicana La Dama del Silencio sugeria o segredo sinistro dos atos hediondos cometidos pelo alter ego criminoso da vida real que fez de seu assassino em série o mais prolífico do México.

Traduzido para o inglês como “A Dama do Silêncio”, na cultura pop mexicana, La Dama del Silencio é mais conhecida como La Mataviejitas: “A Velha Senhora Assassina”.

Desde o final dos anos 90 até meados da metade, o número de mortos vinha aumentando no centro do México.

Apesar de já ser uma área com alta taxa de criminalidade, os idosos eram tipicamente vistos como fora dos limites. Foi isso que tornou os crimes de Mataviejitas especialmente chocantes: seus alvos eram todas mulheres com sessenta anos ou mais.

O modus operandi do assassino era abordar mulheres idosas (normalmente aquelas que moravam sozinhas) e entrar em suas casas sob o pretexto de ser uma assistente social que se oferece para inscrever a vítima em programas de assistência social.

La Mataviejitas os espancaria ou os estrangularia até a morte, depois roubando itens de importância religiosa como troféus.

Somente em 2006, o reinado de terror da Mataviejitas finalmente chegou ao fim. O culminar de uma caçada humana de dois anos ocorreu depois que uma mulher idosa foi estrangulada até a morte com um estetoscópio em um bairro da Cidade do México.

Após o assassinato, ocorreu um avanço: uma testemunha ocular relatou um suspeito fugindo do local, descrito como uma mulher de meia-idade, de estrutura robusta. Inicialmente, a polícia tinha certeza de que o assassino era um crossdresser – afinal, criminologistas haviam determinado que o assassino era um homem.

Após a apreensão do suspeito, o México ficou em choque quando foi descoberto que el Mataviejitas (como a imprensa se referia ao assassino antes da captura) era na verdade Juana Barraza, de 48 anos.

Quando sua prisão se tornou pública, partes de sua história começaram a surgir lentamente. Ela veio de uma casa abusiva e, mais tarde, seu filho foi assassinado em uma tentativa de assalto. Esse incidente levou sua vida já sombria a um caminho ainda mais sombrio.

Apesar de apenas ser acusada de crimes pós-milênio, desde então a especulação a vinculou a uma série de assassinatos que começaram no final dos anos 90, quando ela estava com quarenta e poucos anos, o que colocaria o início desses assassinatos no mesmo período das consequências de assassinato do filho dela.

Os criminologistas da polícia agora acreditam que “Barraza foi tão prejudicada por suas experiências que acabou tendo como alvo as senhoras porque as identificou com a mãe”.

A investigação policial levou à descoberta de que ela tinha um santuário em sua casa dedicado a Santa Muerte, a “Santa da Morte”.

Outra descoberta dessa pesquisa rapidamente se tornou uma peça duradoura do espírito zeitgeist do México: a descoberta de uma foto de Barraza vestida como luchadora. Nela, Barraza posa com cabelo loiro curto e descolorido e está vestida com spandex rosa com detalhes dourados, complementada por um motivo de borboleta na cintura e na forma de uma máscara de lucha libre, que é onipresente em toda a tradição do wrestling profissional mexicano. Por cima do ombro, ela orgulhosamente ostenta um cinturão de campeã.

Sua carreira no mundo colorido da lucha libre foi amplamente confinada ao nível inferior, nos arredores independentes da lucha libre. Quando a polícia perguntou sobre como ela escolheu o nome do anel “La Dama del Silencio”, ela respondeu que escolheu o apelido “porque eu estou quieta e me mantenho em paz”.

Um ex-professor de justiça criminal apresentou a teoria de que “no dia-a-dia de Barraza, se apresentar em público como lutador é o que lhe proporcionava uma cobertura plausível para viajar, estar acordado em horários estranhos e ter acesso a todos os tipos de pessoas. Eles estão entrelaçados, na minha opinião. ”

Os luchadores dizem “ela não parecia uma assassina”. Ela era limpa, educada e se comportou respeitosamente. “Ela tinha uma boa reputação e era amiga de muitos.”

Não é novidade que hoje em dia é difícil encontrar um luchador que admita ter conhecido ela: “Ninguém quer dizer que trabalhou com ela por causa de seus crimes. Na época, ninguém sabia de seus crimes e ninguém disse nada depois que ela foi pega. Ficamos chocados por estarmos tão perto de uma assassina. Todos estavam com medo do Ministério Público (Departamento de Polícia), então ninguém disse nada. ”

Quando tudo foi dito e feito, Barraza confessou o assassinato de quatro vítimas, mas desde então sustenta que está sendo usada como bode expiatório para o resto. Ela foi condenada por matar onze mulheres.

No entanto, acredita-se que ela tenha cometido de 24 a 49 assassinatos. Até o momento, esse número é insuperável por qualquer serial killer conhecido no México. Atualmente, ela cumpre 759 anos de prisão por seus crimes.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys