Irmãos doam 17.700 garrafas de desinfetante para as mãos após não vendê-las

ANÚNCIO

ANÚNCIO

Eles viajaram milhares de quilômetros para pegar as garrafas e tentaram vendê-las por US $ 70 cada.

Irmãos doam 17.700 garrafas de desinfetante para as mãos após não vendê-las

Dois irmãos que tentaram vender 17.700 garrafas de sabonete para as mãos a preços inflacionados no meio do surto de coronavírus agora estão doando as garrafas depois que seu empreendimento fracassou.

Matt e Noah Colvin, de Hixson, Tenneseee, percorreram milhares de quilômetros para pegar o máximo de garrafas de sabonetes líquido que puderam após a primeira morte ter sido registrada nos EUA, no início deste ano – gastando entre US $ 10.000 e US $ 15.000. 11.500) em seu transporte.

Com as pessoas em pânico durante o surto, o plano era vender as garrafas de US $ 1 por um preço inflacionado de US $ 70 cada.

No entanto, depois que a Amazon bloqueou a conta e interrompeu as vendas, eles não conseguiram se livrar delas.

Após críticas on-line por seu esquema, publicado no The New York Times, a dupla doou tudo para uma instituição de caridade.

Irmãos doam 17.700 garrafas de desinfetante para as mãos após não vendê-las

Escrevendo nas mídias sociais antes da oferta, Matt disse: “O desinfetante para as mãos na história do NYT está sendo doado para uma igreja local e socorristas”.

Quando ele foi entrevistado pela publicação, Matt disse que não tinha o que pedir desculpas e que estava apenas preenchendo uma lacuna no mercado.

Questionado se ele se desculparia por ter comprado tanto desinfetante depois de ver as famílias lutando para comprar apenas um, ele disse: “Não, acho que não”.

Em declarações à WRCB, Matt disse: “A maior parte foi comprada apenas dirigindo-se a lojas de varejo na área de Chattanooga.

“Os preços na Amazon foram definitivamente mais altos que no varejo”.

Ele afirmou na semana passada que havia vendido conjuntos de dois pacotes por US $ 20 mas, admitiu que havia cobrado até US $ 125 por um pacote de dez.

O pai disse que o custo de entrega dos itens, bem como o corte feito pela Amazon, contribuiu para seus lucros.

Ele disse: “Só porque me custou US $ 2 na loja não significa que não vai me custar US $ 16 para levá-lo à sua porta”.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ladbible