Incrível raro novo crânio da parteira da Guiné considerada o terceiro gênero

ANÚNCIO

Este é um dos artefatos culturais mais interessantes das várias tribos da Papua Nova Guiné, e embora bainhas do pênis e cabeças ancestrais evoquem curiosidade de não-nativos, esse crânio de parteira é único mesmo em Nova Guiné.

Embora muitas das mesmas considerações sejam realizadas para este crânio e para as cabeças típicas dos ancestrais, o crânio dessa pessoa normalmente não seria preservado porque pertencia a uma mulher.

ANÚNCIO

Os membros da tribo de Iatmul reservaram a fabricação de cabeças cobertas de argila apenas para homens, depois as consagraram em uma casa especial na vila para os líderes consultarem. Mulheres e crianças só veriam os crânios durante alguns poucos desfiles ou cerimônias.

midwife skull

O crânio da parteira, no entanto, juntou-se a todos esses rituais masculinos, e uma parteira viva – conhecida como Waneng Aiyem Ser – também estava a par de muitos rituais dos quais as mulheres teriam sido barradas. A maioria das membros da tribo era relegada a cuidar de crianças e a cuidar de pequenos jardins enquanto os homens caçavam e brigavam.

ANÚNCIO

Segundo o antropólogo social Fitz John Porter Poole, o papel da parteira geralmente recaía sobre uma mulher mais velha que morava sozinha. Eles frequentemente viviam separados de outros moradores e trabalhavam no cultivo de substâncias sexuais.

Presidiriam cerimônias para rituais de iniciação de homens e mulheres, rituais de purificação, remédios, adivinhações e tomada de decisões.

Sua posição única não apenas os tornou parte de ambos os sexos, mas também os separou das funções sociais masculinas e femininas. Por esse motivo, muitos designaram o Waneng Aiyem Ser como um terceiro gênero na tribo.

midwife skull closeup

Nos rituais de iniciação, as parteiras conversavam com a autoridade dos homens e eram, às vezes, executoras de tabus culturais. Ela tinha o poder de tomar e dispor de pertences masculinos e foi bem-vinda a falar contra homens em público.

Quando chegou a hora de escolher uma nova parteira, era seu direito nomear uma sucessora. Essa tradição de fazer a transição de uma tribo para o Waneng Ayem Ser e mudar de um papel de gênero para outro durou centenas de anos nas terras altas da Nova Guiné.

Mesmo após sua morte continuou sendo reverenciado: seu crânio recebeu um toucado enfeitado com conchas e o rosto de uma mulher grávida estava inscrito na testa.

Segundo um colecionador anterior, o crânio seria usado para apaziguar os espíritos irados e garantir o nascimento de bebês saudáveis ​​para a tribo. Assim como eles serviram na vida, esperava-se que continuassem sua proteção na morte.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys

ANÚNCIO