A ilusão da Cronostase

A visão é um conjunto de sensores e receptores que trabalham em equipe para nos mostrar o mundo a nossa volta. Porém esse mecanismo usa alguns truques para nos deixar cegos por alguns minutos todos os dias:




A ilusão da visão

infinity-time1

Já diz a famosa frase: “O que os olhos não veem, o coração não sente”. Contudo o mais correto seria: “Nem tudo que os olhos veem, o cérebro sente”. Apesar de estar em constante funcionamento, nosso sistema visual possui alguns mecanismos capazes de suprimir imagens inúteis.

Quando o olho vê uma imagem que é apenas um borrão, ele consegue, por si próprio, não enviar essa informação para ser processada pelo cérebro. Isso é chamado de Mascaramento sacádico.

Um exemplo disso é quando mexemos os olhos de um ponto a outro rapidamente. Entre o início desse movimento e o final, nós deveríamos enxergar um borrão, mas vemos apenas uma imagem estática durante a movimentação. Isso é uma trava dos olhos contra imagens inúteis.

Man with Blue Eyes

Um bom modo de notar isso é parar em frente a um espelho e tentar enxergar o movimento dos próprios olhos, indo de um lado para o outro rapidamente. Quem está fazendo o movimento não consegue ver os olhos se mexendo, apesar de que uma segunda pessoa poderia ver sem problemas. Isso ocorre pois o cérebro simplesmente não chega a ver as imagens que compõe o meio do movimento.

Essa “falha” na visão cria um efeito chamado Cronostase, que é a impressão de que algo demora mais para acontecer do que deveria. O exemplo mais famoso desse fenômeno é a “ilusão do relógio parado”. Quando estamos olhando para outro lugar e olhamos rapidamente para o relógio, temos a impressão de que a primeira movimentação do ponteiro dos segundos leva mais tempo do que nas outras vezes. Obviamente o relógio não desacelera, mas nossos olhos fazem isso, enganando até mesmo o cérebro.

Para evitar todo o borrão do movimento, os olhos seguram a imagem do ponto final por mais tempo, dando a impressão de prolongamento do segundo. Tudo isso ocorre em milésimos de segundo, mas acaba fazendo muita diferença.

Outra maneira de notar essa distorção, é quando estamos viajando em uma rodovia de alta velocidade. Mexendo a cabeça rapidamente para frente e para trás (em relação ao eixo da pista), enquanto estamos olhando pela janela, nos dá a impressão de que uma imagem estática se forma no meio do movimento. Isso ocorre porque em um pequeno intervalo de tempo a velocidade do movimento de nossa cabeça bate com a velocidade das imagens passando, fazendo com que os olhos consigam captar uma imagem estática. Isso gera o efeito de Cronostase.

Essa ilusão de distorção do tempo ocorre toda a vez que movimentamos nossos olhos de um lado para o outro, mas quase nunca é percebida, pois focamos em algo que não está em movimento ou estamos distraídos para notar. Por isso alguns pesquisadores dizem que todos somos cegos, pois não enxergamos vários segundos de nosso dia devido ao movimento de nossos olhos.

Receba mais em seu e-mail
Topo