Hipopótamos de cocaína de Pablo Escobar podem ajudar ecossistemas fluviais na Colômbia

ANÚNCIO

Os hipopótamos que foram trazidos para a Colômbia décadas atrás por Pablo Escobar, o famoso chefão da cocaína, agora estão prosperando nos ecossistemas fluviais do país.

Os cientistas até suspeitam que os habitats fluviais possam se beneficiar da presença desses hipopótamos não nativos, com os grandes herbívoros preenchendo um nicho ecológico que está vago na região há milhares de anos.

ANÚNCIO

Hipopótamos de cocaína de Pablo Escobar podem ajudar ecossistemas fluviais na Colômbia

Muitas espécies de grandes comedores de plantas que outrora vagavam pelo planeta foram levadas à extinção a partir de 100.000 anos atrás, com extinções chegando ao fim da Época do Pleistoceno (de 2,6 a 11,700 anos atrás).

À medida que os grandes animais herbívoros desapareciam, sua ausência consumia o solo de nutrientes, alterava o crescimento das plantas e até afetava o fluxo e a disponibilidade da água, escreveram os pesquisadores em um novo estudo.

ANÚNCIO

No entanto, herbívoros não-nativos recém-introduzidos – como os “hipopótamos de cocaína” de Escobar – poderiam revitalizar e enriquecer esses ecossistemas, e poderiam fazê-lo em locais ao redor do mundo, relataram os cientistas.

Escobar importou quatro hipopótamos da América em 1981, para um zoológico particular em sua fazenda perto de Medellín, Colômbia. Após o colapso de seu império das drogas, os hipopótamos escaparam e se reproduzem na natureza desde então, agora com 80 indivíduos ou mais, informou a Scientific American em fevereiro.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Live Science

ANÚNCIO