Gravidez pode tornar o COVID-19 mais grave, novo estudo sugere

ANÚNCIO

As mulheres grávidas tiveram maior probabilidade de exigir admissão na unidade de terapia intensiva (UTI) ou uso de ventilador, em comparação com as pessoas que não estavam grávidas. No entanto, as mulheres grávidas não parecem estar em maior risco de morte pela doença em comparação com as mulheres não grávidas, de acordo com o estudo, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Gravidez pode tornar o COVID-19 mais grave, novo estudo sugere

ANÚNCIO

Anteriormente, o CDC havia dito que “não havia dados mostrando que o COVID-19 afeta as mulheres grávidas de maneira diferente dos outros”, mas as novas descobertas levaram a agência a atualizar suas mensagens sobre o COVID-19 na gravidez. A agência agora diz que “as pessoas grávidas podem ter um risco aumentado de doenças graves por causa do COVID-19 em comparação às não-grávidas”.

O novo estudo – um dos maiores em COVID-19 na gravidez até o momento – analisou informações de mais de 8.200 mulheres grávidas e 83.200 mulheres não grávidas nos EUA, com idades entre 15 e 44 anos, que deram positivo para COVID-19 entre janeiro e junho.

O estudo constatou que quase um terço das mulheres grávidas com COVID-19 foram hospitalizadas, em comparação com apenas seis por cento das mulheres não grávidas.

ANÚNCIO

Mas, criticamente, o estudo não conseguiu distinguir entre as mulheres grávidas hospitalizadas por parto ou outros procedimentos relacionados à gravidez, daquelas que foram hospitalizadas por questões especificamente relacionadas ao COVID-19. (Além disso, os autores também observaram que os médicos podem ter um limiar mais baixo para hospitalizar pacientes grávidas.) Em outras palavras, estar hospitalizado neste caso não indica necessariamente doença grave de COVID-19.

Mas o estudo também descobriu que mulheres grávidas com COVID-19 eram mais propensas a serem admitidas na UTI e necessitar de ventilação mecânica, em comparação com mulheres não grávidas.

Especificamente, 1,5% das gestantes foram admitidas na UTI, em comparação com 0,9% das não gestantes; e 0,5% das gestantes necessitaram de ventilação mecânica, em comparação com 0,3% das não gestantes. Tanto a admissão na UTI quanto a necessidade de um ventilador são “proxies distintos para a gravidade da doença” para o COVID-19, disseram os autores.

O risco de morte por COVID-19 foi o mesmo para mulheres grávidas e não grávidas – a taxa de mortalidade em ambos os grupos foi de 0,2%.

“Há uma boa notícia em más notícias aqui”, disse Dana Meaney-Delman, vice-gerente de incidentes do COVID-19 no CDC, em um novo briefing na quinta-feira (25 de junho). A boa notícia é que as mulheres grávidas não parecem mais propensas a morrer de COVID-19, mas a má notícia é que elas têm um risco maior de internações na UTI e necessidade de ventilação mecânica, disse ela.


É muito importante transmitir a mensagem de que as mulheres grávidas precisam tomar precauções para se protegerem do COVID-19, disse Meaney-Delman.

Ainda assim, o novo estudo teve algumas limitações – ou seja, muitos dados estavam faltando. Por exemplo, para muitas mulheres de ambos os grupos, os médicos não informaram se precisavam de admissão na UTI, precisaram de um ventilador ou morreram. Portanto, esses resultados poderiam ter sido mais comuns (em um ou nos dois grupos) do que o estudo estimado.

Além disso, o estudo não conseguiu identificar como o risco de infecção por COVID-19 variou em trimestres específicos ou se afeta os resultados para os bebês. Os autores pedem dados mais completos sobre o tópico para entender completamente o risco de COVID-19 para mulheres grávidas.

Ainda assim, existem dados suficientes para informar as mulheres grávidas de seu potencial para doenças graves do COVID-19, disseram os autores.

Durante a pandemia, o CDC recomenda que as mulheres grávidas limitem as interações com outras pessoas o máximo possível e, quando elas interagem com outras pessoas, tomem precauções, como manter uma distância de 1,8 metro das outras e usar uma cobertura facial .

As mulheres grávidas também devem comparecer às consultas de pré-natal e garantir que tenham pelo menos um suprimento de 30 dias dos medicamentos que tomam.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Live Science

ANÚNCIO