Gatos mumificados acompanhavam seus donos no antigo Egito

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Os gatos eram considerados animais sagrados no Egito Antigo. Visto como representantes da Deusa Bast, com cabeça de gato.

Bast era um dos filhos de Rá, o deus do sol. Uma divindade principal e altamente popular, Bast recebeu domínio sobre a guerra. O nome dela pode ser traduzido para significar “senhora devoradora”, embora a maioria dos estudiosos ache que seu nome é uma referência a “bas” o símbolo fonético de um frasco de óleo.

mummified cats

Uma das deusas conhecidas como Olho de Rá, Bast fazia parte de uma história em que ela quase destruiu a humanidade, mas foi levada a cair em um cochilo de ressaca depois de beber cerveja cor de sangue.

A personalidade de Bast foi caracterizada como brincalhona, graciosa, afetuosa, astuta e ferozmente poderosa, muitos dos mesmos traços que os egípcios antigos – e os modernos – atribuem aos gatos.

Prejudicar um dos irmãos felinos de Bast na Terra foi considerado não apenas azarado, mas também criminoso, com consequências terríveis para quem os machucou.

Os gatos não eram apenas assuntos de importância religiosa, mas também serviam ao importante objetivo de manter os vermes afastados.

Os ratos podem destruir as plantações e transmitir doenças, tornando o gato central para a saúde e o bem-estar da sociedade egípcia. Os gatos se tornaram tão reverenciados na sociedade egípcia, que um exército invasor foi capaz de evitar ataques usando gatos como escudos vivos!

Para se proteger na morte, os egípcios mumificados seriam acompanhados por gatos.

Os animais de estimação seriam embrulhados em camadas de tecido, secos e revestidos com resina, como uma múmia humana, antes de serem enterrados por milhares de anos. Os gatos também eram frequentemente usados ​​como oferendas aos deuses, mumificados e colocados em templos para mostrar devoção.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ripleys