Entenda a diferença entre fundo de investimento e renda fixa

Quando alguém tem em mente a vontade de se tornar um investidor, em algum momento irá se deparar com dois conceitos bem conhecidos para os iniciantes: fundo de investimento e renda fixa. Pode parecer a mesma coisa, mas não é.

Para sanar a sua curiosidade sobre essas modalidades de investimentos fizemos esse conteúdo especial onde poderá fazer uma comparação entre ambos. Um fundo de investimento pode ser da renda fixa, mas nem sempre. Por isso, estudar o assunto é importante.

Ao final da leitura, você terá uma ideia melhor de qual deles poderá escolher hoje para você. E isso respeitando a sua realidade financeira. Inclusive, dá até para escolher os dois sem problema algum – desde que você entenda para que cada um serve e como funciona.

Então, vamos desvendar logo o que é fundo de investimento e renda fixa – estudando as diferenças, semelhanças e características de cada um deles.

O que é a renda fixa?

O primeiro investimento que vamos tratar aqui é a renda fixa. Essa modalidade nos permite fazer uma separação em dois tipos de títulos, principalmente.

ANÚNCIO

Os títulos públicos são aqueles que são emitidos pelo governo, via Tesouro Direto. Já os títulos privados são aqueles que são gerados por instituição privadas, que podem ser bancos ou financeiras ou até mesmo empresas.

A segunda opção é uma verdadeira sopinha de letras, ao qual existem os ativos de CDBs, LCIs, LCAs, LCs e RDBs. Mas, ainda tem outras categorias, como debêntures. No geral, é simples entender a forma como funciona uma renda fixa.

Teoricamente, você deve adquirir algum dos títulos que já mencionamos e deixar seu dinheiro investido naquela modalidade escolhida até o prazo final contratado. Em alguns casos, não existe esse prazo. Logo, como retorno você receberá juros no período.

Para saber quanto vai ganhar em cima de cada título é feito um cálculo no momento que contratar, com base em números ou índices. E como estamos falando de renda fixa, você já saberá quanto irá receber. Mas, dependendo do índice, a variação poderá ser maior ou menor.

A renda fixa é bem segura

A característica mais mercante desse tipo de investimento é justamente a segurança. Se você está começando agora com as suas aplicações, considere que essa é uma excelente pedida porque traz confiança ao investidor.

Também pode ser um bom negócio para quem apresenta um perfil conservador, que basicamente se trata de pessoas que não estão a fim de correr riscos e optam pelas opções mais seguras do mercado financeiro.

No entanto, você não poderá fazer investimentos mensais no mesmo título, como é comum em poupanças, só que isso não impede de comprar diferentes todos os meses.

De onde vem a segurança…

Ainda que sejam seguros, você pode estar com dúvida de onde vem a segurança. Então, saiba que investir no Tesouro Nacional é o que tem de mais seguro no Brasil, pois é o próprio governo que se compromete a lhe pagar caso aconteça algo com seu dinheiro.

Os títulos privados também são bem seguros, pois são geridos pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC), isso pode lhe deixar bem tranquilo. O limite é de R$ 250 mil por cada CPF, no caso do FGC.

Para escolher entre todos os títulos, você deve fazer uma pesquisa detalhada porque existem muitos sites que fazem projeções de ganhos. Essas simulações vão te dizer sobre o possível retorno, o tempo de investimento, valor inicial e muito mais.

O que são fundos de investimento?

E como o assunto é para falar sobre fundo de investimento e renda fixa, vamos agora a outra opção. Os fundos são diferentes da renda fixa em alguns pontos. Afinal, esses produtos não são bem produtos e sim serviços financeiros.

Saiba que existe uma gama enorme de fundos nacionais e eles são separados se baseando em qual será o destino daquele capital e como será gerido. Entre os mais conhecidos, nós podemos citar os fundos de renda fixa, de ações, fundos DI, cambiais e multimercados.

Logo, o seu investimento em fundos começa quando você compra uma cota do tipo que escolheu. Para ficar mais simples de entender: um fundo é o que se chama de condomínio de recursos, onde o investidor, também conhecido como cotista, compra uma cota.

Esse capital aplicado será acrescido a de outros cotistas e serão administrados por uma equipe responsável, os gestores de fundos. São eles que vão optar entre as diversas possibilidades de ações para identificar quais delas serão responsáveis por uma liquidez maior.

Os fundos são bem flexíveis

Enquanto temos na renda fixa uma segurança considerável, saiba que o forte dos fundos é o poder de diversificação da carteira. Porque você pode ser conservador e ter fundos de renda fixa ou pode arriscar mais e ter fundos de ações, por exemplo.

Diferente da renda fixa, a sua segurança é menor, pois o FGC não se responsabilidade por eventuais perdas do seu capital. Ao mesmo tempo, isso não quer dizer que estamos falando de um negócio ruim. De qualquer forma, torna-se ainda mais importante o estudo sobre a escolha.

Logo, conhecer quem será seu gestor do fundo é crucial para que consiga fazer um bom investimento. Dependendo de qual opção escolher, você poderá até fazer aportes todos os meses.

Outra forma de se assegurar contra a falência de alguma instituição financeira é diversificar sua carteira, deixando seu dinheiro espalho em mais fundos de gestores diferentes, para que nesse caso de prejuízo, você perca apenas a parcela investida naquela empresa que quebrou.

fundo de investimento e renda fixa

As taxas

Por fim, saiba que enquanto a renda fixa não tem taxas de administração, somente impostos e alguns encargos, os fundos possuem essas cobranças, que vão para os gestores. Logo, isso pode corroer a rentabilidade. Então, saiba que, no geral, taxas acima de 1% podem ser bem ruins para os investidores.

ANÚNCIO