Minilua

Fantasmas terríveis do mundo antigo #3

As histórias de fantasmas nos cativam por gerações. Mas no mundo antigo, elas não eram material de risos ao redor de uma fogueira ou de discussões com os amigos.

Para os antigos, os fantasmas eram uma ameaça real, poderosa, e muitas vezes mortal. Responsáveis não só por assombrações, eles eram capazes de fazer uma pessoa normal ficar doente ou de lhe enviar uma maldição mortal. Às vezes, sua existência era uma punição justa para o que fazemos na vida.
Confira:

A Mão de Santo

Na antiga Babilônia, ver um fantasma poderia ser mortal. Datado de cerca do primeiro milênio a.C., os antigos textos da Mesopotâmia em tabuletas de argila descreviam com grandes detalhes as doenças e infortúnios decorrentes da “Mão de Santo.”

Mão de Santo parece referir-se tanto a uma doença quanto ao método pelo qual ela foi dado aos homens. Acredita-se que as doenças mais mortais foram transmitidas por fantasmas de pessoas que morreram de causas específicas, tais como afogamento, sacrifício ou assassinato. Quando um membro da família morria desta maneira, era motivo de preocupação especial por causa da conexão que existia entre a vida e a morte através do sangue das relações.

Às vezes, as aflições particulares estavam ligadas à forma como a pessoa morreu. Por exemplo, aqueles que estavam aflitos com asma ou tinham dificuldade em respirar tinham sido tocados pelo fantasma de uma pessoa que havia se afogado. Supostamente, um dos primeiros sinais de uma presença espectral era um zumbido no ouvido. Os olhos e ouvidos eram considerados as partes mais vulneráveis do corpo humano.

Acordar com dores de cabeça ou rigidez no pescoço era sinal de que provavelmente você foi visitado por um fantasma. Os rituais para libertar alguém da Mão de Santo eram intensos e poderiam durar até seis dias. Muitas vezes, havia oferendas feitas aos mortos e ao deus Sol que pediam para ordenar que os espíritos se retirassem.

Os Manes Romanos

Na Roma antiga, lápides, que traziam inscrições em latim frequentemente incluíam as palavras dis manibus, que significa “os manes divinos.” Os manes acreditam ser os primórdios do Império Romano. Embora existam inúmeras menções deles ao longo dos textos romanos, eles são um pouco difíceis de serem definidos, porque as crenças religiosas não se mantiveram fixas.

Acreditava-se originalmente que os espíritos dos antepassados podiam ser divinizados e transformados em manes, eles eram algo entre um Santo e um Deus. Para entender os manes, temos que tirar as idéias cristãs modernas da cabeça e olhar para o culto dos mortos com uma mente aberta. Enquanto a maioria dos deuses estaduais eram adorados em templos, os manes eram adorados em suas casas.

Eles eram espíritos dos membros da família recentemente falecidos que permaneciam em suas casas para ficarem de guarda sobre os membros da família que viviam, para protegê-los, e para dar assistência e orientação sempre que podiam. Os manes eram fantasmas individuais que agiam da mesma maneira que os deuses.

<-- /home/edenilson/web/minilua.com/public_html/wp-content/cache/static/https/minilua.com/fantasmas-terriveis-mundo-antigo-3/amp/index.html //-->