Exercitar-se no frio pode realmente queimar mais calorias, mas, não significa perder mais peso

ANÚNCIO
ANÚNCIO

Não deixe que os devotos quentes do yoga o enganem, não há maneira melhor de treinar do que com a explosão do ar condicionado e um banho de gelo depois.

Ou a teoria por trás da nova tendência de fitness mais quente: exercícios com temperatura baixa.

Exercitar-se no frio pode realmente queimar mais calorias, mas, não significa perder mais peso

Jimmy Martin e Johnny Adamic lançaram seu estúdio em Nova York, Brrn. Em 2018, com base na ideia de que as pessoas podem fazer um treino melhor e queimar mais calorias se exercitando em temperaturas mais baixas.

Brrn oferece três classes de exercícios diferentes, todas resfriadas a 50 graus Fahrenheit.
Martin, personal trainer, teve a ideia em 2013 enquanto trabalhava com um cliente que disse que se sentia melhor ao se exercitar em temperaturas mais baixas.

A anedota surgiu diante da sabedoria convencional de que “um treino quente e suado era o barômetro para uma ótima experiência de treino”, diz Martin.

“Para ela dizer que foi incentivada a se mover versus desencorajada a se mover, o que o calor costuma fazer, isso despertou meu interesse.”

No ano seguinte, ele se uniu à Adamic, com formação em saúde pública, para pesquisar a melhor maneira de implementar a ideia.

Os primeiros testes foram realizados em uma cervejaria do Brooklyn e em uma fábrica de gelo da Pensilvânia, pairando em torno de 30 graus.

O site da Brrn atribui uma série de benefícios a temperaturas mais baixas, incluindo melhores exercícios e um aumento na queima de gordura, e cita a ciência para apoiar as reivindicações.

O conceito se concentra na termogênese – o mecanismo de aquecimento interno do corpo que nos ajuda a manter uma temperatura interna tostada de 37º graus. Quando somos expostos ao frio, nosso corpo precisa trabalhar mais para nos aquecer, queimando mais calorias.

Cara Ocobock, professora assistente de antropologia da Universidade de Notre Dame, que mede a termogênese em pastores de renas na Finlândia, diz:

“Podemos ver nas populações circumpolares, as taxas metabólicas em repouso podem estar entre 3% e 20% mais altas do que as pessoas de clima temperado.Você também pode ver aumentos na taxa metabólica de repouso de pessoas que também estão no meio ambiente no inverno.”

O corpo tem algumas maneiras de se adaptar ao frio: os vasos sanguíneos nas mãos e nos pés se contraem para minimizar a fuga de calor; tremores – esses pequenos espasmos musculares podem parecer insignificantes, mas podem gerar muito calor e queimar muitas calorias; e, o mais emocionante para os pesquisadores de metabolismo e inovadores da perda de peso, a gordura marrom, o aquecedor pessoal do seu corpo.

A gordura marrom é como uma mistura entre gordura branca e músculo. Em vez de armazenar o excesso de glicose como gordura branca, a gordura marrom a queima, mas apenas quando o corpo fica muito frio. Por um longo tempo, os cientistas pensaram que apenas os bebês tinham gordura marrom porque ainda não conseguem regular a temperatura do corpo.

Em 2009, no entanto, os pesquisadores descobriram que a gordura marrom também existe em adultos. As células estão localizadas ao redor do pescoço e das clavículas, ao longo da coluna vertebral e nos bolsos perto dos órgãos internos, pensando que eles mantêm os órgãos e artérias que transportam sangue para o cérebro quente.

Pesquisas adicionais revelaram que a exposição ao frio não apenas ativa a gordura marrom – aumentando o metabolismo em geral de 10% a 15% -, mas também pode aumentar a quantidade, tornando a gordura branca marrom.

Sugira os banhos de gelo.

Mesmo que as pessoas em climas mais frios tenham uma taxa metabólica de repouso mais alta graças à termogênese, isso não significa que elas estejam perdendo peso. Já viu fotos de Vikings – ou fãs do Minnesota Vikings, por falar nisso?

“Se você estiver fazendo exposição ao frio repetidamente ao longo do tempo – quatro semanas, seis semanas, às vezes dois meses por vez, você coloca as pessoas em câmaras frigoríficas algumas horas por dia – você pode realmente aumentar a gordura marrom, tanto a atividade termos de volume ”, diz Kong Chen, pesquisador sênior do Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais.

Combinar os meios internos do corpo de queimar calorias (termogênese) com um método externo (exercício) parecia um próximo passo natural para otimizar a perda de peso. O único problema é que quando o corpo se aquece do exercício, o sistema de aquecimento interno é desligado.

“Quando você sai para o frio e se exercita no frio, mantém seu corpo aquecido durante o exercício, para que você não gaste mais [calorias] tentando se aquecer”, explica Ocobock. “Você acaba perdendo esse benefício se exercitando em uma academia fria. Como você está apenas se aquecendo fazendo exercícios, seu corpo não precisa fazer nada a mais porque o exercício faz isso por você. ”

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: medium.com