Minilua

Exemplos de potenciais fantasmas em luzes #4

Entre a infinidade de curiosidades que tornam o nosso mundo o lugar misterioso que é, uma das mais interessantes são as chamadas “luzes paranormais”. Estas pequenas bolas de luzes, geralmente de cor azul, aparecem em uma localidade específica e servem de base para muitos contos assustadores. O que torna este fenômeno tão diferente de outras supostas atividades paranormais é que essas luzes aparecem regularmente e foram fotografadas, filmadas, e até mesmo estudadas por cientistas. Por isso, a sua existência não está em duvida.

O que eles são, no entanto, é outra história. Alguns insistem que elas são manifestações de energia paranormal, fantasmas, UFOs, ou algum outro tipo de fenômeno de outro mundo, enquanto as pessoas mais céticas afirmam que são exemplos de raio bola, gás do pântano ou simples erro de identificação de tráfego ou luzes de trem. Alguns até sugerem que eles são um subproduto das placas tectônicas, falhas ou alguma outra anomalia geológica, tornando-as ainda mais misteriosas. Seja o que for, ninguém pode negar a sua beleza natural e exótica, ou o fato de que elas obstinadamente desafiam todas as tentativas de explicar exatamente o que são.

 

Bolas vermelhas, em Rio Mekong, Thailand

Cada ano, cerca de 200 a 800 orbes de fogo são avistados ao longo de um trecho de 60 km do rio Mekong entre Tailândia e Laos, geralmente no final de outono, e, especialmente, em outubro durante a lua cheia. A tradição local afirma que as bolas de fogo são do Naga, uma serpente da lenda budista, embora a ciência moderna contesta naturalmente tais alegações, preferindo outras explicações, como fosgênio natural e gás metano liberado pelo rio. Em todos os casos, eles geralmente aparecem logo após o pôr do sol e são frequentemente vistos por milhares de pessoas a cada ano, tornando-as um dos fenômenos mais testemunhados do planeta.

As luzes do Parque Nacional de Peak District, Inglaterra

As luzes de Peakland tem sido consideradas pela ciência como um exemplo clássico de um subproduto do gás metano criado por podridão de matéria vegetal e animal borbulhando através dos pântanos que produz chamas. Mas estudos feitos em 1980 por um professor de geologia na Universidade de Leicester consistentemente não conseguiu reproduzir uma chama semelhante usando metano, fosfina ou quaisquer outras substâncias suspeitas como contribuintes para a sopa química na região pantanosa. Pior, ele não pôde determinar uma fonte de específica, obrigando-o a concluir que as luzes não eram um produto de gás do pântano, nem eram  de outros fenômenos elétricos naturais, como o fogo de Santelmo, uma bola de raio ou insetos luminosos.

Isso levou alguns a sugerir que as luzes, que são frequentemente observadas se movimentando de forma proposital, estavam sendo controladas por algum tipo de inteligência nascente ou estavam respondendo a mudanças sutis no ar, campo magnético ou meio ambiente. Em qualquer caso, elas ainda estão sendo relatados até hoje e continuam a desafiar explicação científica fácil.