Segundo estudos, beber vinho estimula neurônios e aumenta o QI!

Certamente, em algum momento da vida, alguém te contou dos malefícios do álcool. Todavia, nem todo tipo de álcool é prejudicial! Um estudo realizado pelo neurocientista Gordon Shepherd, professor da Universidade de Yale, explica que o vinho é um ótimo alimento para os nossos cérebros.




Saiba mais:

Wine bottles

Em seu livro Neurologia:Como o cérebro cria o sabor do vinho, Shepherd explica que cada neurônio é ativado para atingir uma experiência poderosa para o cérebro.

Segundo o estudo, degustar vinhos gera um trabalho que não envolve apenas as papilas gustativas. Desde que olhamos e saboreamos, o cérebro estimula nossos sentidos para reconhecerem e analisarem o gosto especial de cada vinho. Assim, olfato, paladar e memória acabam realizando um verdadeiro exercício mental.




Como funciona?

O vinho não tem um gosto específico. Acontece que o cérebro é responsável pela criação do sabor, com base em experiências passadas e aromas conhecidos.

Dr. Shepherd nos mostra que o gosto é uma qualidade bastante subjetiva, depende de processos pessoais específicas. Assim, a degustação de vinhos não ativa apenas o paladar, mas também se encarrega de fazer o hipocampo do cérebro trabalhar, uma área onde a memória e a emoção, elementos fundamentais para criar o sabor do vinho, são tratadas.

Assim, com tanta certeza científica, não podemos discutir. Mesmo assim, antes de abrir outra garrafa de vinho, lembre-se consumir moderadamente.De acordo com Shepherd, se você bebe demais, pode saturar seu sistema. Isso não vai ajudar a estimular a sua massa cinzenta de nenhuma forma.

Então, dá próxima vez que te acusarem de bêbado, você pode justificar seu estado dizendo que, na realidade, está estimulando seus neurônios e ganhando alguns pontinhos no seu QI.

Receba mais em seu e-mail
Carregar mais
Topo