Início Curiosidades

Estudo conclui que videogames violentos não tornam as pessoas mais agressivas

Um novo estudo descobriu que jogar videogames violentos não torna as pessoas mais violentas e agressivas na vida real.

Ele tem sido objeto de debate há anos entre pais, professores e a indústria de jogos em geral, mas parece que os pesquisadores da Universidade Massey, na Nova Zelândia, finalmente colocaram a discussão em prática.

É claro que eles realmente não tornam – este é um debate que provavelmente nunca terminará.

Basicamente, a equipe da Massey juntou os dados de 28 outros estudos sobre o assunto, que incluíram até 21.000 jovens e jogadores para ver se jogar encorajava comportamentos mais violentos.

Suas pesquisas os levaram à conclusão de que não há vínculo entre jogar jogos violentos como Call of Duty ou Grand Theft Auto e agressão no mundo real.

O líder da equipe, Aaron Drummond, explicou: “No geral, os estudos longitudinais não parecem apoiar vínculos substanciais a longo prazo entre o conteúdo agressivo do jogo e a agressão juvenil.

“As correlações entre o conteúdo agressivo dos jogos e a agressão juvenil parecem melhor explicadas pelas fraquezas metodológicas e pelos efeitos das expectativas dos pesquisadores do que pelos verdadeiros efeitos no mundo real”.

Obviamente, tem havido uma extensa pesquisa e esforço para discernir se os videogames tornam as crianças violentas ou não no passado.

Em um desses estudos, os cientistas fizeram três grupos diferentes de crianças brincarem com três versões diferentes do popular jogo Minecraft.

Um exigia que as crianças brincassem em um mundo com armas e violência, outro com espadas e violência, e o terceiro sem violência.

As crianças foram então colocadas em uma sala cheia de brinquedos, mas também com duas armas de fogo deficientes.

As crianças que brincavam com armas e espadas no Minecraft eram mais propensas a brincar com as armas, mas os números não eram realmente tão convincentes.

62% das crianças que jogaram o jogo com armas tocaram uma arma, assim como 54% das que jogaram no mundo com espadas e violência.

No contrato, apenas 44% dos envolvidos no mundo não violento do Minecraft tocaram a arma.

Os pesquisadores publicaram suas descobertas na revista JAMA Network Open, com o pesquisador principal Brad J. Bushman escrevendo: “As crianças expostas a versões violentas do videogame eram mais propensas a se envolver no comportamento perigoso de puxar o gatilho para si ou para seus colegas.” parceiro do que crianças expostas à versão não-violenta “.

No entanto, essa nova pesquisa – com as conclusões opostas – manterá o debate aberto por mais um pouco.

Traduzido e adaptado por equipe Minilua
Fonte: Ladbible